ACidadeON São Carlos

SÃO CARLOS
mín. 20ºC máx. 36ºC

Cotidiano

Mutirão de oftalmologia da Santa Casa pode ser cancelado em julho

Redução de verbas de R$ 120 mil para R$ 46 mil teria dificultado trabalho em 2018. Número de atendimentos chegou a 220 pacientes em mutirões passados

| ACidadeON/São Carlos

Mutirão de oftalmologia da Santa Casa pode ser cancelado em julho
Deve ocorrer na próxima semana uma reunião envolvendo representantes da Secretária de Saúde, do Ambulatório de Oftalmologia - coordenado pelo Dr. Celso Davi Lopes - e também da Provedoria da Santa Casa. A reunião, que já deveria ter ocorrido, vai tratar sobre o possível cancelamento do mutirão realizado pelo ambulatório de oftalmologia da Santa Casa. O encontro precisou adiado devido a agenda do Secretário de Saúde, Marcos Palermo.  

Na semana passada, outra reunião na Secretaria de Saúde contou com a participação do secretário Marcos Palermo e da supervisora do ambulatório de oftalmologia da Santa Casa, Chrislaine Barbosa e de Rosana Moreira, além do setor de regulação. Na pauta foram tratados assuntos referentes ao corte de verbas para o ambulatório e a falta de colírios para os pacientes com glaucoma. O objetivo maior, no entanto, era definir uma data para o próximo mutirão, além de entender a real situação do serviço, que já atendeu mais de 7 mil pessoas, a maioria com idade avançada e em situação de necessidade.  

Segundo o secretário de saúde, o corte de verbas de 120 mil para 46 mil é uma decisão da gestão municipal e não envolve o repasse de verba federal, que continua com as mesmas regras e valores dos mutirões passados. Em relação ao valor, a supervisora do ambulatório foi taxativa. "Não podemos com essa verba nem ao menos fazer os exames e os acompanhamentos necessários quanto mais operar quase 120 pessoas como vinha ocorrendo anteriormente, número esse que muitas vezes chegou a 220 pacientes com problemas de catarata, pterígio, retina ou glaucoma", ressaltou.  

Desde 2102 o Ambulatório de Oftalmologia da Santa Casa conseguiu, com suas atividades e serviços, beneficiar a população com o apoio da equipe e de equipamentos de ponta. Até mesmo cirurgias plásticas realizadas pela médica Iracema Moribe, foram feitas de forma gratuita, bancadas pela equipe médica do ambulatório. Tudo isso levou o ambulatório de São Carlos a receber o título de Cidade Referência em cirurgias de catarata.  

No ano passado, entretanto, surgiram rumores de que o ambulatório seria desativado e o serviço passaria a ser feito na cidade de Araraquara. Por conta disso, formou-se uma mobilização de essas e da própria Câmara Municipal contra a decisão. A justificativa era de que a medida não foi avaliada com critério, levando em conta todos os serviços que o ambulatório já havia feito em prol da população.  

A Câmara Municipal de São Carlos foi alertada sobre a situação por membros da comissão de saúde e também com a presença do vereador Roselei Françoso e da vereadora Cidinha do Oncológico, que até o momento desconheciam os problemas enfrentados e a possibilidade de cancelamento do mutirão e da verba já comprometida em anos anteriores. Agora, cabe aos vereadores se mobilizarem e, através de requerimentos, convocarem o secretário de saúde e outros representantes para esclarecerem a situação.  

Centro de Referência para o tratamento de Glaucoma
O ambulatório de Oftalmologia conseguiu, pelo trabalho feito com êxito, um certificado junto ao Ministério da Saúde como Centro de Referência para o tratamento do glaucoma, doença grave que pode levar a cegueira. Com isso, fica habilitado a receber regularmente colírios para serem entregues gratuitamente para os pacientes.  

Conforme explicou a Chefe da Diretoria Regional de Saúde de Araraquara, Sonia Regina Souza e Silva, houve um problema com a verba do Governo Federal. No entanto, ela afirma que a situação já foi normalizada e a DRS já possui os colírios para serem enviados a São Carlos. "Fico surpresa ao saber que os colírios não estão chegando para o ambulatório, pois já estamos abastecidos com os colírios. Apenas uma marca de um laboratório ainda não nos entregou sua remessa, mas isso deverá ser normalizado rapidamente. Segundo a empresa, cabe à secretaria de saúde repassar os colírios" explicou.  

O representante comercial de um dos laboratórios informou que a situação gerou um gasto alto, uma vez que a Prefeitura de São Carlos estava comprando colírios por R$ 127 quando o preço real seria de 28 reais por olho, comprados por verba Federal e repassados gratuitamente.  

A última pauta discutida na reunião foi com relação à situação atual das câmaras hiperbáricas, caso que também foi levado para a Câmara Municipal. Atualmente existem duas câmaras hiperbáricas na Santa Casa que atuaram na cidade tratando de pessoas com problemas sérios de lesões na pele e evitando muitas amputações. Tudo isso graças às sessões aplicadas que possibilitam uma oxigenação muito acima do ambiente natural e com isso conseguem reativar a circulação das células em feridas crônicas. Em todas as gestões, iniciou-se os trabalhos mediante licitações vencidas por sua empresa.  Atualmente, a prefeitura municipal ainda não realizou nenhuma licitação. Vale ressaltar que as câmaras hiperbáricas possuem um controle digital de todas as sessões realizadas. 


Veja também