Aguarde...

cotidiano

Médicos da Santa Casa operam cérebro com paciente acordada

Pela primeira vez em São Carlos, uma cirurgia desse porte é feita pelo SUS. Procedimento para remover tumores é feito com o crânio aberto

| ACidadeON/São Carlos

Equipe composta por quase 20 profissionais realiza a cirurgia com paciente acordada na Santa Casa - Foto: Assessoria Santa Casa
 

Neurocirurgiões da Santa Casa fizeram cirurgia para a retirada de um tumor do cérebro com a paciente acordada. É a primeira vez que um procedimento como este é feito pelo SUS em São Carlos. A paciente Gracilane de Souza da Silva é empregada doméstica e começou a apresentar os primeiros sintomas há 3 meses. "Ela começou a sentir dores de cabeça. Um mês depois, elas ficaram mais fortes. Foi quando ela fez uma ressonância magnética que constatou o tumor no cérebro", explica o marido da Gracilane, o mestre de obras Antonio Jorge Batista da Silva.

O procedimento foi feito no dia 15 de julho. Pouco mais de duas semanas depois, Gracilane se recupera muito bem. Ela consegue tomar banho, escovar os dentes, fazer as refeições e arrumar a cama sozinha. "Até pouco antes da cirurgia, eu estava sofrendo demais com as dores de cabeça. Eu cheguei a desmaiar várias vezes de tanta dor. Agora, não sinto mais nada. Recuperei minha vida de volta", comemora a empregada doméstica.  

Gracilane tem contado com o apoio da prima Eliane Mendonça da Silva, nos cuidados depois do procedimento cirúrgico. Eliane é técnica de enfermagem e se surpreendeu com a recuperação rápida da prima. "Dias depois da cirurgia, ela já estava cantarolando pela casa. E a cada dia que passa, a gente percebe a melhora dela. Incrível mesmo o trabalho feito pela equipe da neurocirurgia", comenta.

A cirurgia é feita com o crânio aberto para a remoção de tumores que estão muito próximos das áreas cerebrais responsáveis pela fala, visão e movimentos do corpo. "A principal vantagem desse tipo de procedimento é conseguir retirar o tumor e preservar as funções cerebrais importantes para o paciente e, dessa forma, evitar sequelas e dar mais qualidade de vida", explica o neurocirurgião Danillo Vilela, médico que coordenou a operação.  

A cirurgia foi coordenada pelo neurocirurgião Danillo Vilela com equipamentos de ponta Foto: Assessoria Santa Casa
 

COMO A CIRURGIA É FEITA

O procedimento é realizado usando equipamentos com tecnologia de ponta. Antes do procedimento, vários eletrodos são colocados na paciente. Esses eletrodos ficam ligados a um monitor e é por meio dele que uma equipe formada por um neurofisiologista e duas neuropsicólogas fazem a monitorização durante a cirurgia.  

Neuropsicólogas mostram fotos e figuras geométricas e conversam com a paciente no meio da cirurgia Foto: Assessoria Santa Casa


Com esse sistema de neuromonitorização, os profissionais conseguem captar imagens cerebrais antes e durante o procedimento. Ao mesmo tempo, durante o procedimento, a paciente conversa, soletra o alfabeto, conta números e identifica fotos e figuras geométricas. Se ela começa a gaguejar ou ter dificuldade para lembrar de uma palavra, é um sinal para o neurocirurgião de que aquela área do cérebro deve ser preservada. O resultado é uma espécie de mapa digital da área ocupada pelo tumor.  

Com neuronavegação, é como se imagens de ressonância magnética fossem feitas em tempo real Foto: Assessoria Santa Casa

Além da neuromonitorização, outro equipamento de ponta usado durante a cirurgia é a neuronavegação. O aparelho fornece imagens de ressonância durante a cirurgia.  

Esse tipo de cirurgia dura, em média, de 6 a 7 horas. E, apesar de estar acordado, o paciente não sente dor. Para conseguir mantê-lo consciente, são aplicados métodos especiais de anestesia.

A cirurgia com o paciente acordado não é contemplada pelo SUS. Mas quando o caso da paciente chegou à Santa Casa, foi feita a solicitação ao Departamento Regional de Saúde e, graças ao esforço da equipe médica e do hospital, foi dada a autorização para fazer o procedimento. "Mesmo com as dificuldades que todos os hospitais filantrópicos têm enfrentado, estamos oferecendo para essa nossa paciente, pelo SUS, o que há de mais inovador hoje em cirurgia neurológica, o mesmo procedimento feito em grandes hospitais em São Paulo, no Rio de Janeiro e no HC de Ribeirão Preto", afirma o neurocirurgião Danillo Vilela.



Mais do ACidade ON