cotidiano

Especial coronavirus

Covid-19: saiba se a 4ª dose da vacina provoca mais ou menos reações

Após a liberação da segunda dose de reforço para pessoas acima de 40 anos, muitas dúvidas sobre os efeitos colaterais voltam a surgir

| ACidadeON/São Carlos -

 

Saiba se a quarta dose contra Covid provoca mais ou menos reações. (Foto: Divulgação/CCS)
Na última segunda-feira (20), o Ministério da Saúde aprovou a aplicação da segunda dose de reforço contra a Covid-19, a chamada quarta dose, para pessoas com 40 anos ou mais e, com isso, diversas dúvidas sobre as reações à imunização voltaram a surgir. 

A vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai, explica que as doses de reforço tendem a apresentar efeitos menos reatogênicos, uma vez que o corpo já fora exposto ao antígeno anteriormente, com as doses iniciais. 

Dessa forma, a terceira e quarta dose tendem a suscitar poucos efeitos colaterais ou reações mais leves à imunização do que a primeira e segunda dose. 

Ballalai esclarece que o que eventualmente acontece em imunizações é o indivíduo apresentar uma reação mais intensa no local da aplicação após a recepção do reforço, mas que, no caso da Covid, essa situação não se aplica. 

A vice-presidente afirma, ainda, que mesmo que alguns indivíduos apresentem algum tipo de reação, efeitos colaterais diferentes daqueles já conhecidos não deverão ser esperados. 

Já em relação à explicação do surgimento de reações adversas, Ballalai destaca que os efeitos colaterais representam a resposta do sistema imunológico à imunização, de modo que a vacina provoca, primeiramente, um efeito inflamatório para que o corpo produza os anticorpos necessários ao combate à doença a longo prazo. 

Dessa forma, a vice-presidente alerta que os indivíduos que recebem a dose da vacina contra a Covid de quaisquer laboratórios podem, eventualmente, sentir alguns efeitos, os mais comuns são: dor no local da aplicação, dor de cabeça, febre baixa, dor muscular e cansaço. 

Vale lembrar que todas as vacinas de todos os laboratórios que são atualmente administradas no Brasil foram devidamente aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que analisou e garantiu que os imunizantes obtiveram eficácia e segurança comprovadas contra o vírus.
 
LEIA MAIS 
 
São Carlos inicia aplicação da 4ª dose contra Covid para pessoas de +40 anos 
 
Ibaté amplia vacinação contra Influenza para toda população

Publicidade