Publicidade

politica

Oposição quer que Bolsonaro deponha na CPI do MEC

A Procuradoria da República no Distrito Federal alertou a Justiça sobre "possível interferência ilícita" do presidente nas investigações

| ACidadeON/São Carlos -

O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)
A oposição no Senado está planejando a inclusão do presidente Jair Bolsonaro (PL) na lista de depoimentos de uma futura CPI do MEC. A comissão ainda depende de abertura.

A investigação deve focar o gabinete paralelo operado pelo ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e dois pastores.

Partidos de oposição também vão reforçar no Supremo Tribunal Federal (STF) a necessidade de o presidente ser alvo de investigação por causa da suspeita de interferência na investigação conduzida pela Polícia Federal. 
 
LEIA MAIS   
Lula tem sete pontos de vantagem sobre Bolsonaro, diz Exame/Ideia
Reunião em São Carlos discute custeio de UTI do Hospital Universitário
Vereador propõe incentivo à agricultura familiar em São Carlos

A Procuradoria da República no Distrito Federal alertou a Justiça sobre "possível interferência ilícita" do presidente nas investigações, o que devolveu o inquérito da Operação Acesso Pago ao Supremo. A atuação de líderes religiosos na pasta para negociação de agendas e verbas, revelada pelo Estadão, deu origem à investigação que levou à prisão de Ribeiro e dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura.

"(O caso) evidencia a necessidade de apuração. Para a CPI, precisamos nos acostumar à correta leitura da Constituição, ou seja, preenchidos os requisitos, ela deve ser obrigatoriamente instalada", disse o senador Alessandro Vieira (PSDB-SE). "CPIs investigam fatos. Se existir atuação concreta do presidente, é natural que seja investigada." Para o senador, a CPI pode requisitar ao Supremo o conteúdo do inquérito e passar a investigar diretamente Bolsonaro no caso.

O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que pedirá ao STF para abrir inquérito por crime de obstrução da Justiça contra Bolsonaro. O PT prometeu fazer o mesmo.

No Senado, governistas agem para barrar a investigação com a apresentação de outros pedidos de CPI e promessa de liberação de verbas do orçamento secreto. Aliados do Palácio do Planalto devem recorrer ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para tentar impedir a criação da CPI.

'Sacanagem'
A ala governista atua também para blindar Bolsonaro do caso. O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), líder do PL no Senado, foi às redes sociais para dizer que o indício do Ministério Público é "sacanagem" contra o pai.

"Então havia gravação do ex-ministro falando que 'ele' achava que poderia ter busca e apreensão? Se 'ele' era Bolsonaro, por que o juiz e o procurador do MPF não remeteram os autos ao STF ao invés de prender o ex-ministro? Tá cheirando a 'sacanagem', além de crime, claro!", escreveu Flávio.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. 
 
VEJA TAMBÉM 
Ex-paciente da Santa Casa de São Carlos envia 48 cartas para equipe  
Bandeira Verde está mantida em julho, afirma Aneel  
USP aprova criação de banca para coibir fraudes em cotas raciais

Publicidade