22 de julho de 2024
- Publicidade -
Tudo Notícias

Qual é o gene que pode dar imunidade à covid-19?

Estudo britânico detectou que um gene protetor pode explicar porque algumas pessoas não adoeceram durante a pandemia de covid-19

Coronavírus, que causa a covid-19 (Foto: PXHere)
Coronavírus, que causa a covid-19 (Foto: PXHere)

Há quatro anos, o mundo vivia os primeiros meses da pandemia da covid-19, que matou milhões de pessoas. Com a chegada das vacinas, o número de mortes diminuiu bastante, mas ainda ficou a dúvida. Por que algumas pessoas não adoeceram enquanto outras tiveram a doença por inúmeras vezes?

A explicação pode estar em um estudo britânico recente, que foi publicado na revista científica “Nature”. Um gene protetor pode ter evitado que algumas pessoas ficassem doentes.

Qual é o gene que pode dar imunidade à covid-19?

A pesquisa sugere que indivíduos com altos níveis do gene HLA-DQA2 têm a capacidade de combater o vírus SARS-CoV-2 mais rapidamente, com resposta imune ainda no revestimento do nariz, tornando-o mais resistente à infecção.

Para chegar aos resultados, os cientistas reuniram voluntários saudáveis e sem histórico prévio de covid-19, que foram expostos, por meio de um spray nasal, a uma dose extremamente baixa da cepa original do vírus. O estudo, liderado pelo Instituto Wellcome Sanger, University College London, Imperial College London e outras instituições, analisou amostras dos voluntários antes e imediatamente após a exposição ao vírus.

LEIA MAIS

O que é eutanásia?

O que é neuralgia do trigêmeo?

- Publicidade -

Um monitoramento no sangue e no revestimento do nariz de 16 voluntários rastreou toda a infecção e as respostas das suas células imunes. Percebeu-se, então, que o organismo dos voluntários reagia de diferentes formas ao vírus, apresentando infecções que poderiam ser classificadas de três maneiras:

  • sustentadas,
  • transitórias
  • abortadas

O estudo, então, sugere que altos níveis do HLA-DQA2 antes da exposição ajudaram as pessoas a evitar que uma infecção sustentada se instalasse.

Os indivíduos com altos níveis desse gene eliminaram o vírus de forma tão eficaz que não retornaram teste de PCR positivo e não apresentaram sintomas, enquanto o grupo transitório testou positivo intermitentemente e apresentou sintomas leves. Em contraste, seis pessoas que desenvolveram infecção sustentada exibiram resposta imune rápida no sangue, mas mais lenta no nariz, permitindo que o vírus se estabelecesse ali.

- Publicidade -

Segundo os autores, a descoberta pode fornecer base para o desenvolvimento de tratamentos e vacinas potenciais que imitem essa proteção natural.

*Com informações da Agência Estado

Compartilhe:
Marcos André Andrade
Marcos André Andrade é formado em jornalismo pela Unesp e pós-graduado em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais pelo Senac. No Grupo EP desde 2022, é editor do Tudo EP e foi repórter do acidade on Campinas. Tem passagens pela Band Campinas, Rádio Bandeirantes de Campinas e Rádio Band News de Campinas, onde desempenhou as funções de âncora, editor, produtor e repórter.
- Publicidade -
plugins premium WordPress