ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Justiça faz reintegração em área de acampamento em Boa Esperança do Sul

Cerca de 40 famílias vivem no local há mais de 20 anos; área foi vendida em um leilão

| ACidadeON/Araraquara

Reintegração de posse na Fazenda Cachoeirinha, em Boa Esperança do Sul, onde acampados vivem há mais de 20 anos
A Justiça fez a reintegração de posse de uma área do acampamento Cachoeirinha, em Boa Esperança do Sul, na manhã da última quarta-feira (12). Das 40 famílias que vivem no local há mais de 20 anos, oito vão ter que desocupar o local.  

A casa do autônomo Fábio Gonçalves de Almeida foi destruída pelas máquinas. "Chegaram aí falaram que iam derrubar tudo. Agora eu quero saber onde vão levar a gente. Não temos para onde ir. Eu trabalhei três anos para fazer a casa e perder isso", disse.  

A maioria dos moradores foi para o local em 1997. Na época a área pertencia a um banco que faliu. A fazenda foi dividida em quatro partes, que foram vendidas em um leilão.  

Um dos novos donos conseguiu a reintegração de posse e Polícia Federal foi ao local para que o oficial de Justiça cumprisse o mandado.

A produtora rural Ivone Falcão Barbosa vive no local há 22 anos e também vai ter a casa demolida. "A gente produz milho, feijão, manga, limão, banana, abacaxi. A gente faz feirinha no sábado e vive disso. A dor é de todos. Para onde vão levar a gente? Eles não falam. Todo nosso suor está aqui dentro", afirmou.   

Caso do acampamento Cachoeirinha é demolida em Boa Esperança do Sul (Fotos: Reprodução EPTV)
Ela ainda disse que os moradores foram surpreendidos com a reintegração. "Foi um susto porque falou que estava vindo para tirar a gente. Vieram em fevereiro e falaram que tinha que sair em 30 dias. O Incra falou que tinha derrubado a liminar e ficamos sossegados e aumentamos a produção", disse.  

Mais prazo
Em um acordo, a Justiça deu mais quatro dias para as famílias desocuparem a área. A Prefeitura de Boa Esperança do Sul disse que não foi informada da decisão e acrescentou que vai se reunir com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para tentar reverter a situação, porque acredita no potencial de produção dos assentados.  

O Incra informou que houve uma tentativa de aquisição do imóvel, o que não foi concluído, portanto o imóvel não é de posse do Incra para que seja criado um projeto de assentamento.