Aguarde...

cotidiano

Vigilância ainda encontra problemas no combate à dengue

Muitas pessoas não abrem as casas para vistorias e isso preocupa ainda mais porque período de chuva com calor está voltando

| ACidadeON/Araraquara

Ações de combate à dengue são realizadas em Araraquara  (Foto: Walter Strozzi/ACidadeON)
 
Em Araraquara menos de uma casa em cada cem estão com larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e de outras doenças graves como a zika e a chikungunya. A informação é de Rodrigo Ramos, coordenador de vigilância em saúde.   

O número é considerado satisfatório, mas indica que a cidade não pode parar com as ações. "Isso nos preocupa muito porque agora chega o período de chuvas, aumento de temperatura e pode explodir o número de casos novamente", diz ele.    
Este ano, Araraquara vive uma epidemia de dengue com 23.848 casos e cinco mortes registradas.

O Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa) mostra que na região de Araraquara, que engloba 24 municípios, a cada 100 casas, 230 têm focos de dengue. O estudo mostra ainda que a maior incidência de larvas está nos recipientes móveis, como garrafas pets, recipientes plásticos e os pratinhos de planta.  

Sem abrir o portão é difícil 
Outro problema grave é que no trabalho feito pela Vigilância Epidemiológica, casa a casa, metade dos moradores não abre o portão para atender os agentes. Neste caso, o agente faz a anotação, deixa um comunicado e encaminha a situação para a fiscalização, o que pode gerar multa para o morador. Para se ter uma ideia em 2018 foram 26 multas; este ano já foram 246 autos de infração.  

"Muitas pessoas que estão em casa, mas não nos atende. A pessoa simplesmente não atende", diz Bruna da Silva, agente de endemias.  

"As pessoas precisam se conscientizar e cada um fazer a sua parte", diz a dona-de-casa Elisabeth Giotto, que teve dois casos de dengue este ano na família. Ela conta que mantém o quintal limpo, mas tem muitas casas na vizinhança fechada e que assim, o risco de aparecer mosquito é maior. "A dengue preocupa muito", diz ela.

Mais do ACidade ON