Escola diz que realizou manobras para salvar menino engasgado

O pequeno João Vitor morreu após engasgar com um morango

    • ACidadeON/Araraquara
    • Da reportagem
Da reportagem
Escola onde menino engasgou em Araraquara (Foto: Amanda Rocha)

 

A escola particular onde o menino João Vitor Prado Guirelli, de 2 anos, se afogou comendo uma fruta e acabou morrendo na última terça-feira (05), em Araraquara, disse que manobras para desengasgar a criança foram feitas mesmo antes do resgate chegar.

A diretoria da escola, Simone Santos, disse em entrevista à EPTV, que o garoto estava sendo supervisionado na hora do lanche e que pegou um morango do prato de um colega. Os professores logo perceberam que ele estava engasgado e começaram os procedimentos.

“Ligamos imediatamente para o resgate e também fomos orientados quanto às manobras para desengasgar. Quando o resgate chegou, mais manobras foram feitas e ele foi levado para o hospital”.

Segundo o boletim médico divulgado, os socorristas conseguiram reverter o quadro de parada cardiorrespiratória da criança e a encaminharam ao Hospital São Paulo.

A situação se agravou novamente durante a noite e o menino morreu. O caso foi também registrado pela polícia como morte acidental.

A escola, que fica no bairro Morumbi, está fechada nesta quarta-feira (06). A diretora diz que toda a equipe está abalada e pretende prestar solidariedade à família.

Comoção
A morte de João Vitor comoveu muitas pessoas. Mesmo nas redes sociais não faltaram palavras de apoio e carinho com a família.

Quando a morte do menino foi confirmada, o pai postou em sua página no facebook. “Meu maior amor se foi, por isso, beije e abrace seu filho todos os dias. Deus não avisa quando será o seu último gesto de amor. Amor eterno, um dia nos veremos meu anjo, meu eterno amigão”, diz o pai João Guirelli Júnior.

Engasgamento
O enfermeiro Danilo Ferreira explica que o engasgo causa uma parada respiratória que muitas vezes leva uma parada cardíaca e mesmo quando revertida pode causar sequelas. “Por isso é um caso sério, que precisa de socorro imediato”, diz ele.
São dois tipos de engasgo, com líquidos e com sólidos. “Sólidos são sempre mais complicados para reverter o engasgamento”, reforça Ferreira.

É importante as pessoas que trabalham com crianças terem técnicas de desengasgamento, para que o socorro seja sempre o mais imediato possível.

Campanha
Em Campinas, há dois meses, o garoto Lucas Begalli de 10 anos morreu após ter se engasgado com uma salsicha de um cachorro quente. Ele estava em um passeio da escola.

Mesmo abalada, a família segue em uma luta para aprovar uma lei federal (que leve o nome de Lucas) obrigando os profissionais de escola a se capacitaram com o curso de primeiros socorros. “A ideia é que todos os lugares que atendam crianças tenham profissionais capacitados em primeiros socorros, mas principalmente escolas, onde as crianças passam a maior parte do tempo”, diz Andrea Betiati, tia de Lucas.

 


0 Comentário(s)