Aguarde...

cotidiano

Destinação de leitos UTI depende de avaliação de central do Estado

Assunto ganhou repercussão após questionamento do prefeito de Matao sobre a internação de pacientes de Araraquara no Hospital Carlos Fernando Malzoni

| ACidadeON/Araraquara

Leito com respirador no Hospital da Solidariedade voltado para atender pacientes graves com Covid-19 (Foto: Amanda Rocha)

"Por que tem que mandar pra cá? O que aconteceu com o hospital de campanha de Araraquara? O que aconteceu com as UPAs de Araraquara que foram transformadas em hospitais para receber pessoas com covid-19?" 

O questionamento é do prefeito de Matão Edinardo Esquitini (PSB), em uma rede social, onde ele se mostra contrariado com as internações de pacientes de Araraquara no hospital "Carlos Fernando Malzoni".

"Nada contra, a saúde está aí para ser atendido todo mundo. Mas se a estrutura de lá é suficiente, por que mandar pra cá?", completa o chefe do Executivo matonense.

O questionamento do prefeito levantou o assunto. Se Araraquara possui estrutura hospitalar, então, porquê pacientes são internados em outras cidades?

A explicação, segundo a secretária de Saúde de Araraquara, Eliana Honain, está na Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (Cross).

"O Cross é em São Paulo e ele vai analisar a situação do paciente, qual é a instituição que tem condições, diante do quadro dele, pode recebê-lo, o mais próximo de sua residência. Então os leitos da Santa Casa de Araraquara eles não são dos munícipes daqui, eles são do sistema Cross. Os leitos do hospital de campanha também estão no Cross", explica.

A rede pública de saúde tem dez leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na Santa casa e 15 no hospital estadual de Américo Brasiliense.

Além disso, são 29 leitos de Semi-UTI (leito com respirador) na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila Xavier e no hospital de campanha. Todos esses leitos são exclusivos para covid-19 e regulados também pela Cross.

Isso explica porque pacientes de Araraquara são transferidos para outras cidades, pois é a disponibilidade de leitos no momento em que é feita uma solicitação de internação, por exemplo.  

Santa Casa de Araraquara possui dez leitos de UTI exclusivos para covid-19 (Foto: Amanda Rocha)


No último fim de semana, a taxa de ocupação de leitos de UTI da Santa Casa chegou a 100%. No domingo (10), um paciente de Araraquara morreu em Matão em decorrência de coronavírus.

Este cenário levantou outro questionamento: se existe o hospital de campanha porque transferir pacientes para outro hospital e para outras cidades da região.

A explicação, segundo a secretária de saúde de Araraquara, Eliana Honain, está no quadro clínico do paciente, que muitas vezes exige outros cuidados.

"Ele não tem a estrutura de um hospital. Por exemplo, um paciente que precisa estar internado, de repente ele evolui para uma insuficiência renal, ele precisa de hemodiálise, as vezes precisa de uma tomografia, ressonância, então os pacientes mais graves começam a complicar e o correto é colocar dentro do hospital convencional, porque ele tem uma estrutura diferenciada", afirma.

O médico Andre Peluso Nogueira, diretor técnico da Santa Casa, explica que embora disponha de uma estrutura com suporte ventilatório, o hospital de campanha não tem todos os equipamentos necessários para diagnóstico e tratamento do paciente em caso de agravamento da doença.

"O leito de Unidade de Terapia Intensiva é uma área crítica destinada a internação de pacientes graves, que requer atenção profissional especializada de forma contínua, materiais específicos e tecnologias necessárias ao diagnóstico, monitorização e terapia. Já um leito de suporte ventilatório pulmonar é um leito provisório que visa atender a urgência da demanda aguda de leitos de UTI. Mas ele não requer todos os equipamentos e estrutura técnica que um leito de UTI normal precisa", finaliza.

Nos boletins divulgados diariamente pelo Comitê de Contingência do Coronavírus, a ocupação de leitos de UTI e enfermaria também considera as internações na rede particular, que possui 11 leitos de UTI e 14 de enfermaria.

Mais do ACidade ON