ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

economia

Conheça a nova versão da Honda Gold Wing

Sexta geração do modelo nipônico vem com Apple CarPlay e mecânica melhoradas

| ACidadeON/Ribeirao

 

por MÁRCIO MAIO / AUTO PRESS  

De maneira geral, todas as marcas de motocicletas estão olhando com mais atenção para o segmento de alta cilindrada nos últimos tempos. Afinal, são produtos extremamente lucrativos e que também atuam como uma vitrine tecnológica, já que normalmente carregam as principais inovações disponíveis no portfólio de sua fabricante. No caso da Honda, a maior fabricante de motocicletas do planeta, um modelo se destaca de maneira especial nessa lista: a Gold Wing, talvez o seu principal marco em sua história no universo de duas rodas. E que teve sua sexta geração mostrada pela primeira vez em novembro do ano passado, nos Estados Unidos e, em seguida, marcou presença no Salão de Duas Rodas de São Paulo. A chegada ao Brasil ainda não está definida e nem os preços praticados para as duas versões disponíveis, a GL 1800 Gold Wing e GL 1800 Gold Wing Tour.  

Quanto ao motor, manteve-se o mesmo 1.833 cc, mas com uma redução de 6,2 kg no peso. Ele preserva a consagrada arquitetura seis cilindros boxer com cabeçotes de quatro válvulas. Há quatro diferentes modos de pilotagens, Tour, Sport, Eco e Rain, que modificam a entrega de força e a atuação do controle de tração, da suspensão e dos freios. São 124 cv de potência e 17,3 kgfm de torque máximo. O câmbio pode ser manual de seis velocidades ou DCT de sete velocidades com sistema de duas embreagens desenvolvido pela própria marca nipônica, disponível apenas para a configuração mais cara, a GL 1800 Gold Wing Tour.  

Controle de tração, assistente de partida em subidas e sistema start/stop que a Honda chama de Idling Stop estão inseridos no modelo, este último para ajudar a reduzir o consumo. De acordo com a Honda, a melhora na economia de combustível pode chegar a 20% em relação à geração anterior. E a confiança nisso é tanta que o tanque de combustível diminuiu em quatro litros, comportando agora 21 litros no total.  

A Gold Wing recebeu também um inédito chassi com dupla trave em alumínio, associado a uma suspensão dianteira por duplo braço oscilante com função amortizante desvinculada do sistema de direção. A suspensão traseira é com balança do tipo monobraço Pro-Arm, conectada ao sistema Pro-Link. Quanto aos freios, há sistema D-CBS (Dual Combined Braking System) com ABS de última geração, que distribui a força de frenagem nas duas rodas de acordo com o modo de pilotagem adotado. E o modelo traz ainda sistema de monitoramento da pressão dos pneus, que indica o status, em tempo real, da pressão dos pneus e indica quando a ela cai abaixo de um determinado nível.  

O para-brisa é regulável tanto em altura como em inclinação e, por trás dele, entra em cena um novo painel com tela TFT colorida de 7 polegadas e tecnologias comparáveis às de um carro de passeio de versão de topo. Além de sistema de áudio e navegação, agora a Gold Wing é a primeira moto compatível com o sistema Apple CarPlay. A partida do motor também se dá a partir do toque de um botão, já que a chave é presencial. Nos Estados Unidos, os preços começam em US$ 23.500, algo em torno de R$ 75 mil. No Brasil, no entanto, o preço da moto vendida atualmente é de R$ 119.900. Valor que desse subir com a nova geração.

Sem tempo ruim  

O teste promovido pela Honda para a nova Gold Wing foi bem intenso e proporcionou uma experiência de pilotagem de mais de mil quilômetros com o modelo, em uma viagem que durou dois dias pelo estado do Texas. E na qual estavam incluídas temperaturas até 2° C negativos, com direito a um pouco de chuva também. Uma das mudanças nesta nova geração é exclusiva da variante mais cara, a Tour, e está na transmissão. Não há dificuldades para se adaptar ao câmbio de duas embreagens e o que se vê é uma suavidade incrível na engrenagem e nas mudanças. As melhorias estão latentes e há ainda assistente de partida em rampas, que favorece bastante o uso principalmente em grandes cidades e seus engarrafamentos, e sistema de controle de torque que gerencia o deslizamento da roda traseira.  

Outro ponto de extremo avanço está no que diz respeito à informação e entretenimento. No centro do painel de instrumentos há uma tela colorida de sete polegadas onde se pode ver o GPS, sistema de som, rádio AM/FM, computador de bordo e, o mais surpreendente, compatibilidade com Apple CarPlay. Como acessórios, há a chance de incluir dois alto-falantes extras são dois como padrão , controle para o passageiro mudar as estações de rádio e punhos e assentos aquecidos. A ideia da Honda é vender 12 mil unidades por ano apenas nos Estados Unidos. Uma meta que deve ser alcançada sem grandes problemas. Em outros mercados, no entanto, em função de seu alto preço, apesar de sua enorme carga tecnológica, a situação tende a ser bem diferente.