Aguarde...

ACidadeON

Voltar

esportes

Corrida de Santo Onofre encerra ano esportivo em Araraquara

Alexandre e Milena Mara foram os campeões da Santo Onofre 2019

| ACidadeON/Araraquara

Corrida de Santo Onofre encerra ano esportivo em Araraquara (Foto: Walter Strozzi)
Em Araraquara, o último dia do ano é marcado pela tradicional corrida de Santo Onofre. Em 2019, a prova contou com 450 inscritos, mas no total, 800 pessoas participaram da corrida, que teve início às 8 horas, em frente a Arena da Fonte, e percorreu as principais ruas da Vila Ferroviária e Fonte.   

Alexandre conquistou o primeiro lugar da Santo Onofre 2019 (Foto: Walter Strozzi)
No masculino o vencedor da prova foi Alexandre Ribeiro Pastoreiro, que completou a corrida em 21 minutos e 44 segundos. O pódio também foi composto por Edson Roberto de Brito Sacche (22m03s), Charles Jesus Oliveira (22m10s), José Mario Batista (22m17s) e Tiago Medeiros Nunes (30m12s). 

"O percurso em si é bom, não foi tão pesado. Claro que isso também envolve a preparação que fiz, treinando muito na estrada de terra com subida e isso ajuda nessas horas. O que cansou mais foi a parte final da prova, pois pegamos um pouco de sol, e ele está bem quente. Mas foi tranquilo. Eu tô muito feliz com a vitória, pois falei para o meu treinador, o Marcelo Cabrini, que queria ganhar e eu fico muito feliz por estar aqui podendo representar bem a nossa equipe, ao Cabrini e também a Fundesport", afirma Alexandre. 

Ainda de acordo com o campeão, essa é a segunda vez que ele participa da competição, a primeira foi em 2017, quando ficou em terceiro lugar.   

Milena Mara é a campeã da prova feminina (Foto: Walter Strozzi)
Feminino
Já no feminino, a grande vencedora foi Milena Mara Andrade, que finalizou a prova em 25 minutos. Milena ainda dividiu o pódio com Tatiane Rodrigues Fernandes (26m04s), Noeme Maria Pereira (26m38s), Vera Lúcia Calegari da Silva (29m46s) e Camila Balista (30m12s).  

"Essa é a terceira vez que eu corro nessa prova e neste ano fui campeã pela primeira vez. É um sentimento de satisfação, de emoção, porque eu treino aqui e participo de corrida em vários lugares, mas hoje minha família está aqui, dando força e motivando. Eu fiz a minha parte, o dever de casa. A prova não foi difícil, só usei a estratégia de correr os primeiros 3 km forte e depois segurar até o final", conta Milena.  
 
Festa do esporte
Para o secretário de Esportes, Everson Miguel Inforsato, esse é um evento de festa, de confraternização e união das pessoas que são atletas e amam o esporte. Ainda segundo o secretário, esse é um momento especial para Araraquara, afinal são 40 anos de corrida. 

"Neste ano o Zinho (que deu início a corrida de Santo Onofre) deixou esse plano, mas que esse evento corou todo o trabalho que ele fez lá trás e que continua abrilhantando a nossa cidade. Então, é uma alegria muito grande encerrar 2019 com esse grande evento". 
 
Morre Zinho, criador da Corrida de Santo Onofre (Foto: Arquivo Pessoal)
Como tudo começou 
Daniel Marcos Rodrigues, o Zinho, foi carpinteiro, marceneiro e tapeceiro, até virar comerciante em 1979. Quando comprou o bar na Rua Gonçalves Dias (Rua 1), passou a multiplicar a carteira de amigos e boas histórias.  

Em dezembro de 1980, quando Zinho e seu amigo Adail estavam sentados em frente ao bar e viram outro amigo passar correndo pela rua todo atlético. Na típica conversa de boteco, Zinho disse que gostaria de ter aquele pique. Adail, por sua vez, se gabou: "Eu tenho". Foi ai que Zinho teve uma ideia que mudaria a agenda esportiva de Araraquara.  

Ele chamou um de seus empregados do bar, um rapaz bem mais jovem, para participar do duelo nas ruas com Adail. E os dois saíram correndo, mas incrivelmente Adail venceu. O que Zinho só descobriu depois é que Adail tinha acertado para o garoto perder, justamente para prolongar a brincadeira no boteco. Como não era justo, Zinho fez outra proposta. Que tal Adail disputar com aquele amigo deles, o todo atlético, que despertou a conversa inicial? Os dois toparam. A curiosidade é que esse desafio deveria ser no mesmo horário da Corrida São Silvestre, em São Paulo, no dia 31 de dezembro. A notícia se espalhou e  dezenove pessoas apareceram para competir com Adail e o colega.  

No final, nem Adail, nem o desafiante venceram. Jacy Silveira, o Paraguaio, foi o primeiro campeão. Mas isso era o de menos. O importante era mesmo a festa regada a cerveja e bons causos. Ali, no bar, batizaram a corrida de Santo Onofre, em alusão ao Santo que viveu entre os séculos IV e V e ficou se tornou o padroeiro dos bêbados já que, de acordo com os relatos existentes sobre o santo, ele teria lutado contra o alcoolismo durante sua vida. 

O idealizador da corrida, Zinho, morreu em julho deste ano, aos 80 anos de idade. 

Mais do ACidade ON