ACidadeON

Política

GE diz que não é alvo da Operação Ressonância; Philips afirma estar cooperando

Lava Jato Rio Operação Ressonância defesas

| Estadao Conteudo

As defesas dos investigados na Operação Ressonância, desdobramento da Fatura Exposta, braço da Lava Jato no Rio, divulgaram notas à imprensa nesta quarta-feira, 4, sobre a operação deflagrada hoje pelo Ministério Público Federal (MPF) em conjunto com o Conselho de Defesa Administrativa (Cade), o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria Geral da União (CGU), a Receita Federal e a Polícia Federal.

A ação mira contratos na área da saúde celebrados pelo Estado do Rio de Janeiro e pelo Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into). A 7ª Vara Federal Criminal autorizou a prisão preventiva de 13 pessoas e a temporária de 9, além da busca e apreensão em 44 endereços. Também foi decretado o bloqueio de bens dos investigados no valor de R$ 1,2 bilhão.

Em nota, a GE informa que "a respeito da operação da Polícia Federal conduzida na manhã de hoje, que resultou na prisão temporária de Daurio Speranzini Jr., esclarecemos que as alegações são referentes ao período em que o executivo atuou na liderança de outra empresa". A GE ressalta ainda que não é alvo das investigações. "A empresa acredita que os fatos serão esclarecidos pela Justiça e está à disposição para colaborar com as autoridades".

A Philips informa que ainda não teve acesso ao processo, no entanto, está cooperando com as autoridades para prestar quaisquer esclarecimentos quanto às alegações apresentadas, que datam de muitos anos atrás.

"Os atuais líderes executivos da Philips não são parte da ação da Polícia Federal; um colaborador da equipe de vendas da Philips foi conduzido para prestar esclarecimentos. A política da Philips é realizar negócios de acordo com todas as leis, regras e regulamentos aplicáveis. Quaisquer investigações sobre possíveis violações dessas leis são tratadas muito seriamente pela empresa".

O advogado Alexandre Lopes, que defende o empresário Miguel Iskin, afirmou: "Mais uma prisão ilegal que será revogada pelos tribunais brasileiros. Trata-se de repetição de operação anterior, na qual custódia preventiva já foi afastada pelo Supremo Tribunal Federal. Causa perplexidade a utilização como base da prisão depoimentos de um delator chamado Cesar Romero, que ouvido em Juízo, anteriormente, foi flagrado em várias mentiras. Suas delações deveriam ser anuladas, e não usadas como arrimo de prisão ilegal."

O Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad afirmou que "está à disposição para esclarecimentos da investigação".

Veja também