Aguarde...

Cotidiano

Número de divórcios cresce 121% em nove meses em São Carlos

Até o momento, município contabiliza 42 separações amigáveis entre casais sem filhos menores de idade. Veja os dados

| ACidadeON/São Carlos

Número de divórcios em nove meses cresce 121% em São Carlos. Foto: Reprodução

O número de divórcios nos primeiros nove meses deste ano em São Carlos (SP) cresceu 121% em comparação ao mesmo período do ano passado. Dados do Colégio Notarial do Brasil apontaram 42 separações amigáveis em 2020.

Faltando dois meses para o ano terminar, o número de divórcios registrados já é o maior dos últimos três anos. No entanto, esse número pode ser ainda maior, já que esses dados são referentes apenas a divórcios amigáveis e casais sem filhos menores de idade.  

Até o momento, 2020 contabiliza 42 divórcios nos primeiros nove meses, sendo oito em janeiro, sete em fevereiro, quatro em março, dois em abril, quatro em maio, três em junho, oito em julho, cinco em agosto e um em novembro. Já no mesmo período em 2019 somava apenas 19 separações, mas totalizou 31 durante o ano todo.  

Veja abaixo o número de divórcios dos últimos nove anos:  

ANOQUANTIDADE DE DIVÓRCIOS
202042
201931
201826
201738
201653
201559
201459
201329
201226

O que a quarentena trouxe
Para a psicóloga e neuropsicóloga, Thaiane Barbosa, a quarentena trouxe questões que não eram discutidas pelos casais. "O excesso da convivência dos casais que antes se viam só no final do dia, a preocupação em excesso com a saúde, o medo pelo Covid-19, a preocupação com a economia, acredito que tudo abalou muito s caiais e afetaram muitas famílias" , comentou.  

Thaiane também explicou como evitar as discussões de relacionamento e o que fazer diariamente para melhoras essa convivência e aponta um segredo de sucesso: a leveza na relação.  

"Estabelecer alguns horários e atividades de forma independente. Outra coisa importante é respeitar a privacidade do outro, mesmo estando em casa juntos, fazer uma divisão de tarefas justas em casa para que não fique só a tarefa para a mulher ou só para o homem porque estando dentro de casa, o serviço também aumentou bastante. Então, mesmo dentro de casa, procurar ter momentos de lazer, de diversão", disse.  

Para alguns casais a situação tem ainda outro obstáculo: os filhos. E, principalmente, as crianças dentro de casa. A demanda por atenção aumenta o espaço para ficar a dois diminui.  

"O tempo com a criança também é importante e o tempo desse casal também é importante juntos para conseguir desenvolver algumas atividades de lazer, o tempo juntos, o tempo de conversar e de namorar, então de determinar alguns horários. Até nessa pandemia eu falo que é importante a gente ter rotina dentro de casa", comentou Thaiane.  

Mudanças para separação
Caso não tenha mais jeito e a separação seja questão de tempo, agora durante a pandemia ficou mais fácil conseguir a certidão. Foi autorizado o procedimento de forma online quando tudo for de forma consensual. Basta entrar no site do E-Notoriado e preencher as informações.  

O vice-presidente do Colégio Notarial do Brasil, Andrey Guimarães, afirma que também é possível dizer adeus ao parceiro de forma simples nos cartórios. "As pessoas levam seus documentos através de e-mail e tudo mais, é agendado um momento dentro dessa plataforma para que as pessoas manifestem sua vontade em uma videoconferência que vai ser assinada no final com assinatura eletrônica gratuita, e no tabelião no final encerra esse ato e lavram o traslado, que é o documento que as partes levam e que pode ser tanto físico quanto digital" explicou.  

Com todos os documentos em mãos o prazo para alcançar a solteirisse não passa de uma hora. Porém é necessária a presença de advogados. O valor depende de inúmeros fatores, mas a taxa mais baixa é de R$ 449,60. "O valor que eu sei que diante da situação brasileira pode ser caro para alguns, mas diante da importância desse ato para as pessoas, do direito ao término do casamento, e para a sociedade ter isso formalizado, é um valor razoável", disse Guimarães.  

Para os casais que não se acertaram e terão um divórcio litigioso ou precisam rever a guarda de filhos, é preciso entrar com processo judicial.

Mais do ACidade ON