Aguarde...

ACidadeON São Carlos

SÃO CARLOS
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Pesquisa da UFSCar oferece tratamento para dor no pescoço ou na coluna

Para realizar o estudo, estão sendo convidados voluntários, homens ou mulheres, que tenham entre 18 e 65 anos de idade, com dor no pescoço há mais de três meses

| ACidadeON/São Carlos

UFSCar 
 

Uma pesquisa de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia (PPGFt) da UFSCar está convidando voluntários para estudo que pretende verificar a eficácia de procedimentos que podem aliviar a dor do pescoço ou da coluna cervical (região superior das costas). Os participantes passarão por avaliação e tratamento fisioterapêutico gratuitos.

A pesquisa "Avaliação clínica e eficácia da fotobiomodulação e estimulação elétrica nervosa transcutânea em indivíduos com dor cervical crônica não específica" é realizada pela doutoranda Erika Rampazo da Silva, sob orientação de Richard Liebano, docente do Departamento de Fisioterapia (DFisio) da UFSCar. O objetivo do estudo é analisar as possíveis diferenças em relação a dor, incapacidade funcional, mobilidade cervical, sensibilização central e fatores psicossociais entre indivíduos com dor cervical crônica não específica e indivíduos saudáveis, além de verificar a eficácia da fotobiomodulação e da estimulação elétrica nervosa transcutânea.

A pesquisadora explica que a fotobiomodulação consiste na aplicação da luz laser de baixa intensidade para redução da dor. A estimulação elétrica nervosa transcutânea é a aplicação - por meio de eletrodos autoadesivos individuais - de uma corrente elétrica para diminuição da dor. Rampazo explica que os dois procedimentos serão usados na região dolorosa. "Ambos os recursos são analgésicos e a utilização associada deles pode promover o efeito analgésico mais rápido e mais duradouro", complementa a doutoranda.

De acordo com ela, os resultados mostrarão a eficácia da utilização isolada ou combinada dos dois recursos em pessoas que tenham dor cervical crônica, o que pode ajudar na conduta fisioterapêutica no tratamento de pacientes que tenham o problema.

Para realizar o estudo, estão sendo convidados voluntários, homens ou mulheres, que tenham entre 18 e 65 anos de idade, com dor no pescoço há mais de três meses e que não tenham realizado fisioterapia nos últimos três meses. Os participantes passarão por avaliação, dez sessões de tratamento e, posteriormente, serão reavaliados. O atendimento será realizado no Laboratório de Recursos Fisioterapêuticos do DFisio, na área Norte do Campus São Carlos da UFSCar. Interessados em participar da pesquisa podem entrar em contato com a pesquisadora até o mês de outubro deste ano pelo e-mail pesquisaemdorcervical@gmail.com ou pelo telefone (16) 98869-2535 (ligação ou WhatsApp).

Mais do ACidade ON