Aguarde...

Lazer e Cultura

Museu virtual reúne releituras de obras feitas por alunos de São Carlos

São 149 obras disponíveis e abertas gratuitamente ao público; ideia foi um incentivo de professores e profissionais da Diretoria de Educação Regional

| ACidadeON/São Carlos

Museu virtual reúne releituras de obras feitas por alunos de São Carlos. Foto: Reprodução

Um projeto da rede estadual de ensino de São Carlos (SP) incentivou o uso da criatividade de alunos com jogos, missões e um desafio cultural que estimulou a releitura de obras de arte. O material virou uma exposição virtual de 150 obras aberta gratuitamente ao público. 

Dezembro é um mês de férias pra muita gente e por isso é comum visitas ao teatro, parques, museus, mas com a pandemia várias coisas ainda estão restritas, ou com o acesso mais difícil. No entanto, profissionais da área educacional do município encontraram uma forma de unir a diversão e ensinamento com desafios para os pequenos estudantes.

"Neste momento de pandemia, nós sentimos a necessidade de fazer alguma ação que envolvesse o grêmio estudantil para que ele pudesse entrar em contato com os colegas de dentro da escola, os talentos que a escola tem, para poder cumprir as missões do game Uma batalha contra o tédio", explicou a professora e coordenadora do grupo pedagógico, Ana Paula Borelli Matsumoto.

As releituras foram tão geniais que chamaram atenção dos professores, e foi a partir disso que surgiu a ideia de um museu digital que poderia ser acessado por todos. "Não só concentrar essas obras em um arquivo único, que seria nosso museu digital, como também poder compartilhar com outras pessoas para que elas também soubessem e pudessem apreciar a quantidade d obras que conseguimos juntar com essa missão", contou Débora Gonzales Costa Blanco, diretora regional de ensino.  

Museu virtual reúne releituras de obras feitas por alunos de São Carlos. Foto: Reprodução
Experiências
Proposta feita e abraçada pelo professor Pedro Ferreira, que colocou a mão na massa e começou a construir os corredores, as paredes, divisórias e tudo que faz parte do museu que abriga as 149 obras.

"A estrutura do museu é muito simples, ela é intuitiva: a pessoa clica no local onde quer caminhar a partir de um computador ou notebook, e quando ela se interessar ou quiser ver as obras, basta clicar nas obras de arte que ela terá a informação de quem é o autor da obra original e da releitura, de qual é a série, escola e ano", explicou.

Ter o trabalho exposto no museu é motivo de alegria. Na casa da Ana Carolina não foi só ela que participou. A estudante fez a releitura da obra "Mulata na cadeira", do artista Di Cavalcanti, e o pai reproduziu o "Lavrador de café", de Cândido Portinari.

"Consegui trazer uma distração para minha casa, porque nesse momento de pandemia está sendo difícil para todo mundo. O que mais gostei foi que a gente conseguiu fazer em casa mesmo, a gente usou o cenário de casa e não precisou ter contato com ninguém. Foi super leal e diversificada", contou a estudante.

Fazer um trabalho assim não é fácil, é preciso dedicação como a do estudante Miguel Saraiva. Segundo sua mãe, Amanda Saraiva, a releitura de Charles Chaplin foi fruto de muito empenho. "A gente improvisou tudo. Improvisamos a bengala, que foi um cabo de vassoura, pegamos uma cartola emprestada, colocamos um terninho e ficou o meu Charles Chaplin", disse.

Como visitar
Quem quiser conhecer o museu deve entrar no site Conectados São Carlos e clicar na imagem do museu. Para celulares, o aplicativo que dá acesso ao museu é Artsteps e procurar por Conexão Conviva: Uma Batalha Contra o Tédio DER São Carlos.



Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON