Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

Cotidiano

Roda de conversa reúne familiares e amigos de vítimas de feminicídio em Araraquara

Reunião tem foco na conscientização das mulheres para não deixar de denunciar casos de violência doméstica

| ACidadeON/Araraquara

"Uma grande injustiça", diz Rosana, ex-cunhada de Camila Lourenço, vítima de feminicídio (Amanda Rocha/ACidadeON)
 

Uma roda de conversa reuniu familiares e amigos de vítimas de feminicídio em Araraquara e levantou a questão da conscientização das mulheres sobre os seus direitos e de como é possível denunciar casos de violência doméstica. Segundo a advogada Cíntia Crozera, 45% das mulheres não denunciam companheiros violentos por medo e por conta de uma dependência psicológica e financeira. Mas isso precisa mudar.  

E a reunião realizada na noite desta segunda-feira (16) no Centro Afro de Araraquara foi mais um passo nessa direção. Os cerca de 50 participantes, maioria mulheres, conversaram sobre o tema. Júlia Castro, uma das organizadoras, lembrou dos casos recentes de feminicídio.  "Queremos conscientizar as mulheres para não ficarem nesses relacionamentos abusivos", comenta.  

Amigos e familiares da gerente de esmalteria Camila Lourenço, de 32 anos, assassinada pelo namorado semana passada participaram da reunião. A ex-cunhada Rosana Bernardo da Luz, 48, diz que eventos assim são importantes para evitar crimes bárbaros como esse.  

"Foi uma grande injustiça o que aconteceu com ela. Ela era uma pessoa maravilhosa, sempre trabalhou e era boa mãe. E o importante desse ato é conscientizar principalmente as mulheres. A gente pensa que vai mudar uma pessoa e não muda. Quando o homem é ciumento a ponto de fazer o que esse cara fez", afirma. "As mulheres não devem ter medo de denunciar e se afastar porque uma pessoa assim não muda".  

O ato foi organizado pelo coletivo 4i artes.   


Feminicídios em Araraquara
Araraquara registrou três feminicídios em 30 dias. Além de Camila, a estudante Hemilly Oliveira, de 14 anos, também foi vítima. Ela morreu após ser espancada pelo tio. Josiane Mendes, de 44 anos, também foi morta com um golpe de faca no pescoço. Os acusados dos três crimes estão presos e aguardam julgamento.  

12 mulheres por dia
Um levantamento feito recentemente pelo portal G1 mostra que, em média, 12 mulheres são mortas todos os dias no Brasil. Em 2017, segundo o levantamento foram 4.473 homicídios dolosos, sendo que 946 deles foram classificados como feminicídios.

Só em Araraquara, no ano de 2017, foram feitos mais de dois 1.000 boletins de ocorrência de violência doméstica e cerca de cinquenta e dois boletins de ocorrência de violência sexual.
 


QUER CONTINUAR LENDO ESTE CONTEÚDO E MUITOS OUTROS? FAÇA SEU LOGIN OU CADASTRE-SE

Informe seu e-mail e senha cadastrados para ter acesso a todo conteúdo do site:

ainda não tem cadastro?
QUER LER ESSE CONTEÚDO? CADASTRE-SE

Informe seu Nome, E-mail e senha para se cadastrar no Acidade ON

Quero ser informado sobre promoções e ofertas do Acidade ON e seus parceiros
Aceito os Termos de Uso do Acidade ON

Veja também