Aguarde...

ACidadeON

Voltar

Carnaval

Cordão da Luz Divina espera atrair cerca de quatro mil foliões

Grupo foi o primeiro da nova geração de blocos carnavalesco de Araraquara

| ACidadeON/Araraquara

Abre alas, que o bloco Cordão da Luz Divina quer passar. O primeiro da nova geração de blocos de carnaval de Araraquara irá tomar as ruas centrais da cidade e comandar a está no domingo (23).  

A concentração acontece às 15h30 na Praça Pedro de Toledo. Depois disso, o grupo sai em cortejo com o cordão pela rua Itália até a Praça das Bandeiras. Já no local, a programação segue noite a dentro.  

O grupo espera reunir entre 3.500 e 4 mil pessoas durante a festa. "Nossas expectativas são as melhores possíveis. No ano passado choveu e mesmo assim tinha muita gente. A gente vê que o evento cresce e as pessoas têm aderido e participado muito", conta um dos fundadores do bloco, o administrador Juliano Machado, de 41 anos.   

Bloco Cordão da Luz Divina em Araraquara (Foto: Arquivo)
meçou
O nome tem uma explicação simples. O "cordão" significa uma enorme massa de pessoas que se aglomeram pra andar na rua (antigamente se usava a palavra cordão ao invés de bloco). E Luz Divina é uma brincadeira, uma alegoria entre o profano e o divino, que se integram numa relação teatral no período carnavalesco.  

O grupo surgiu em 2016, quando Juliano e seus amigos começaram a perceber o crescimento do carnaval de rua em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro.  

"Como a cidade não tinha nenhuma atração pública nesses moldes de carnaval de rua, com marchinhas, a gente montou um Jeep elétrico com som e foi para a rua. Foi uma festa entre amigos e conhecidos de amigos, sem nenhuma organização ou preparo. Fomos para a Praça Pedro de Toledo, onde até hoje a gente se concentra. E foi uma estreia muito bonita, apesar de pequena e improvisada", conta Juliano.  

De acordo com o organizador, a primeira vez que o bloco foi para a rua, cerca de 300 pessoas participaram, já que os amigos iam chamando outros amigos os próprios moradores iam se juntando aos foliões. 
  
Para Juliano, os blocos de rua crescem sobretudo em São Paulo e Rio de Janeiro, mas isso tem se espalhado para todas as outras cidades." Acho que o motivo fundamental, além de resgatar as marchinhas de carnaval e sambas enredo clássicos, é a ocupação do espaço público. É fazer um carnaval democrático, onde as pessoas estão no mesmo espaço, mesmo ambiente. O carnaval de rua sem abadá, camarote ou venda de ingressos, nada que distingue as pessoas. No nosso bloco tem pessoas de todos os tipos e de todas as idades, com suas fantasias, se divertindo com muita alegria e tolerância", ressalta.  
 
Orientações
O grupo orienta que as pessoas curtam a festa, levem a bebida que for consumir, mas devem cuidar do lixo. "A gente pede para as pessoas irem fantasiadas e com muita alegria, para compartilhar os espaços da cidade", finaliza.

Mais do ACidade ON