Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

Política

Sergio Moro se reúne com Bolsonaro no Rio de Janeiro

Nas entrelinhas, o juiz federal deixou entendido que pode ser o próximo ministro da Justiça se puder implantar agenda anticorrupção

| ACidadeON/Ribeirao

 

Sérgio Moro está no Rio de Janeiro para visitar Bolsonaro (Foto: Serviço Noticioso / Futura Press)

Munido de um livro sobre medidas contra a corrupção, o juiz Sergio Moro embarcou cedo, nesta quinta (1º), para o Rio de Janeiro, onde se reúne com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que deve oferecer a ele a vaga de ministro da Justiça.

"Há uma possibilidade [de aceitar o convite]. Mas, como eu disse, é tudo muito prematuro", afirmou Moro a um grupo de jornalistas que embarcaram no voo entre Curitiba e o aeroporto Santos Dumont.

Questionado sobre um eventual impacto negativo à Operação Lava Jato, caso aceite o convite para fazer parte do governo, Moro disse que a situação ainda é prematura, e acrescentou: "Acho surpreendente falar que não se deve nem conversar com um presidente que acabou de ser eleito por mais de 50 milhões de brasileiros", disse.

O juiz respondeu ainda sobre questionamentos da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em relação à sua eventual parcialidade para julgar processos contra o petista. "Sobre isso, se houver alguma alegação será respondido nos autos", afirmou.

Sobre o convite, Moro diz que traz a chance de "implantar uma agenda importante para o país, observada a Constituição e os direitos fundamentais". "O país precisa de uma agenda anticorrupção e uma agenda anticrime organizado. Se houver a possibilidade de uma implantação dessa agenda, convergência de ideias, como isso vai ser feito...", disse.

Antes do encontro com o presidente eleito, o juiz foi a um hotel de luxo, na Barra da Tijuca, que fica a 350 metros da casa do capitão reformado. Ele tomou café da manhã em um salão reservado do hotel, sempre acompanhado por um grupo de seguranças.
Moro deixou o local pelos fundos, evitou a imprensa, e foi à casa de Bolsonaro levado por carros da PF, onde chegou às 9h.