Publicidade

cotidiano

Epidemia de dengue em Araraquara supera 2ª maior da história

Números da doença superaram 2015, quando em todo o ano 8,2 mil pessoas ficaram doentes

| ACidadeON/Araraquara -


 

 

Em pouco mais de cinco meses, as notificações por dengue superaram todos os casos registrados em 2015, quando houve a segunda maior epidemia da história de Araraquara. 


Dados divulgados pela Prefeitura, nesta sexta-feira (20), mostram que a cidade soma 8.448 confirmações em 2022: 150 de janeiro, 701 em fevereiro, 4.573 em março, 2.764 em abril e 260 em maio. O número é superior ao de 2015, quando em um ano foram 8.242 casos. 


Além do crescimento em casos, a cidade teve neste ano 13 mortes causadas pela dengue. Este número supera 2019, ano da maior epidemia, quando houve cinco vítimas da doença. Na oportunidade a cidade contabilizou 23.134 notificações por dengue em um único ano.  

Epidemia de dengue em Araraquara chega aos 8.448 casos em 2022 (Foto: Divulgação)
 



ATENDIMENTO
Diante do aumento de casos e mortes pela doença, a Prefeitura vem recomendando atenção aos sintomas: febre, dor no corpo, dor de cabeça, dor atrás dos olhos e manchas pelo corpo. 


O Centro de Atendimento de Dengue funciona no antigo hospital de campanha, diariamente, inclusive finais de semana e feriados, das 7 às 21 horas. 


Já as unidades de saúde atendem casos suspeitos de dengue, porém, funcionam de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 16h30. As Unidades de Pronto Atendimento (UPA) são 24 horas. 


No caso da UPA da Vila Xavier, que desde o início da pandemia atendia somente pessoas com sintomas de covid-19, retomou o atendimento de outras patologias, inclusive dengue. 


No momento em que o paciente procurar o atendimento, ele deve levar RG, Cartão SUS e um comprovante de endereço com CEP. 


AÇÕES NOS BAIRROS
A administração segue com as ações de bloqueio nos bairros. Neste sábado (21), os agentes da Vigilância farão vistoria em busca de possíveis criadouros no Jardim Cristo Rei, na Vila Xavier. 


Já a equipe de nebulização deve atuar em imóveis especiais em área de transmissão, como CERs, escolas e faculdades da cidade. A Prefeitura não deu detalhes dos bairros. 


Os agentes de combate a endemias da Vigilância Epidemiológica trabalham sempre uniformizados, com camiseta cinza e colete marrom, além de circularem em carros oficiais. 


É importante observar a identificação do agente e autorizar a sua entrada. Em caso de dúvida, o morador também pode ligar no Controle de Vetores, nos telefones 3303-3123 e 3303-3124. 


Mais informações podem ser obtidas pelo telefone da Ouvidoria da Vigilância Epidemiológica, o 0800-7740440, ou no WhatsApp da Prefeitura, o (16) 99760-1190. 


O descarte irregular de lixo, resíduos sólidos, volumosos (sofás, poltronas e colchões) e queimadas em área urbana e rural também causam danos à saúde e ao meio ambiente. 


A denúncia aos órgãos oficiais pode ser feita pelo telefone (16) 3339-5000.

Publicidade