Aguarde...

Política

Empresa culpa Prefeitura por atraso de salário de vigilantes

Segundo GAPS, administração municipal deve cerca de 800 mil pelos serviços prestados em diferentes pontos da cidade

| ACidadeON/Araraquara

Empresa culpa Prefeitura de Araraquara pelo atraso de pagamento (Foto: Amanda Rocha/ACidadeON)

Alegando estar sem receber seus contratos junto a Prefeitura de Araraquara, a empresa de vigilância GAPS possui atrasos de salários e décimo terceiro com seus funcionários, que prestam serviços em ao menos doze escolas, cinco creches, o Espaço Kaparaó e a Casa Transitória.  

Ao ACidade ON, a gerente administrativo da GAPS, Vera Lúcia de Caires, afirma que a administração municipal nunca cumpriu com os pagamentos em dia e que os valores em aberto estão próximos de R$ 800 mil. Sem receber, ela garante que há dificuldade para honrar compromissos e o valor em aberto com os trabalhadores é cerca de R$ 150 mil.  

"Realmente esse mês não paguei salário dos funcionários porque não tive recursos e como fazer. Nos meses anteriores busquei em bancos e com isso vai onerando ainda mais pra gente. Então esse mês ainda não paguei o salário deles, isso procede. E realmente tem uma parte do décimo terceiro que nós fizemos um acordo na DRT, parcelamos o décimo terceiro e infelizmente eu não consegui cumprir com tudo ainda", explica.  

LEIA TAMBÉM 

Vigilantes podem deixar escolas da Prefeitura por falta de pagamento

Segundo Caires há um compromisso da Prefeitura para pagamento de uma parte do valor ainda nesta quarta-feira (18), porém, até o fechamento desta reportagem ainda não havia sido honrado. Mesmo assim, o acordo entre administração e empresa previa pagar apenas R$ 150 mil, dos R$ 800 mil em aberto. 

"A Prefeitura prometeu depositar um montante hoje que dê para pagar a folha, que não passa de R$ 150 mil e é exatamente o valor dela estamos buscando meios para ver o que vamos resolver, porque tenho contrato, não é do dia para noite que posso parar, se não sou multada, então tem todos esses detalhes. Infelizmente a gente não pode simplesmente parar", afirma. 

Procurada, a Prefeitura de Araraquara não deu resposta até o fechamento desta reportagem.

Mais do ACidade ON