Aguarde...

ACidadeON

Economia

Mercado recebe bem indicação de Campos Neto ao BC; dólar cai 1%

| FOLHAPRESS

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar recua ante o real nesta sexta-feira (16), com o mercado recebendo bem a indicação de Roberto Campos Neto para o comando do Banco Central no lugar de Ilan Goldfajn. Às 12h (horário de Brasília), o dólar comercial recuava 1,1%, cotado a R$ 3,742. O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas na Bolsa, avançava 0,94%, a 86.788,41 pontos. Segundo analistas, investidores já precificavam nos últimos dias que Ilan não ficaria no cargo, o que, para o mercado, seria o melhor cenário. Assim, considerou Campos Neto um bom nome técnico, com reputação e história. "Ele [Roberto Campos Neto] é tido como um economista na linha do avô, extremamente liberal, identificado com as tesourarias do mercado financeiro e certamente é um nome que dará sequência a toda a política do BC implementada pelo Ilan, até então preferido pelo mercado", disse o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva. O anúncio de que Mansueto Almeida permanecerá no cargo de Secretário do Tesouro Nacional também ajuda o mercado, numa sessão encavalada entre o feriado e o fim de semana. Pedro Paulo Silveira, economista-chefe da Nova Futura Investimentos, diz em comunicado que esses nomes, junto com o de Joaquim Levy no BNDES, dão suporte para a credibilidade da política monetária junto ao mercado.  "Esses nomes sinalizam que o novo governo já começa com gente que está familiarizada com os detalhes importantes para o funcionamento da economia e dos principais processos que são necessários para ajustar o déficit público e manter a política monetária em estado de eficiência", escreveu. O mercado estava de olho também no indicador de atividade econômica do Banco Central, o IBC-Br, divulgado nesta sexta. A ligeira queda de 0,09% em setembro, na comparação com o mês anterior, veio acima das expectativas dos analistas. No terceiro trimestre deste ano, a economia brasileira teve uma expansão de 1,74%, após quedas de 0,15% no primeiro trimestre e de 0,79% no segundo. Lá fora, predominava a cautela em relação ao "brexit", depois que a premiê britânica, Theresa May, anunciou que se mantém firme à retirada do Reino Unido da União Europeia em março, mesmo após renúncia de importantes ministros. Os principais mercados da Europa operam no vermelho. A Bolsa de Londres recua 0,64%. Das 31 principais divisas do mundo, 12 se desvalorizavam em relação ao dólar.

Veja também