Aguarde...

ACidadeON

Economia

'Eu também sou réu no Supremo, e daí?', diz Bolsonaro sobre ministra que deu incentivos à JBS

| FOLHAPRESS

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), minimizou reportagem da Folha de S.Paulo segundo a qual sua futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM-MS), concedeu incentivos fiscais à JBS enquanto manteve uma parceria pecuária com a empresa. À época, a hoje deputada federal era secretária do agronegócio de Mato Grosso do Sul. "Eu também sou réu no Supremo, e daí?", disse Bolsonaro, que responde a ação por incitação ao estupro. "Afinal de contas sou um ser humano, posso errar, e, se qualquer ministro tiver uma acusação grave e comprovada, a gente toma uma providência. Neste momento, ela goza de toda a confiança nossa", disse, ao visitar a competição mundial de jiu-jítsu Abu Dhabi Grand Slam, no Parque Olímpico da Barra, na zona oeste do Rio de Janeiro. Segundo a reportagem, publicada neste domingo (18), a deputada arrendava uma propriedade em Terenos (MS) aos irmãos Joesley e Wesley Batista para a criação de bois e, ao mesmo tempo, ocupava o cargo de secretária estadual de Desenvolvimento Agrário e Produção, no governo de André Puccinelli (2007 -2014), que foi preso em julho sob acusação de corrupção. A política de incentivos fiscais do governo estadual está no centro da delação premiada fechada pela JBS com a PGR (Procuradoria-Geral da República) no capítulo que tratou da corrupção em MS. Em um período de 13 anos, até 2016, teriam sido pagos R$ 150 milhões em propina. Tereza Cristina, no entanto, não é alvo de investigação nem de processo no âmbito da delação premiada. A deputada federal é processada pela JBS em razão do negócio entre eles, que foi fechado entre 2011 e 2012. A empresa cobra na Justiça um total de R$ 14 milhões, em valores atualizados. Tereza Cristina nega irregularidade. Procurada, a JBS não se pronunciou.

Veja também