Aguarde...

ACidadeON

Lazer e Cultura

2 - 'Tudo Acaba em Festa' é um típico filme estilo pipoca (sem sal)

| FOLHAPRESS

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Fim de ano se aproxima e, com ele, chegam também as esperadas (ou não) confraternizações empresariais. Aproveitando o gancho, "Tudo Acaba em Festa" estreia com a proposta de fazer comédia a partir desse controverso evento do mundo corporativo.Diretor de outras duas produções do gênero -"Minha Mãe É uma Peça" (2013) e "Gosto Se Discute" (2017)- André Pellenz apresenta um filme assumidamente despretensioso, que se vale de piadas e situações óbvias para criar uma atmosfera cômica.Mas, no geral, a história carece de inspiração e de originalidade e, em certos momentos, parece apelar ao nonsense como último recurso. A estratégia não surte muito efeito; o riso é esporádico.Vlad (Marcos Vera) integra o time de recursos humanos de uma empresa de cosméticos. Baladeiro de plantão, o marmanjo ainda mora na casa dos pais e foge das responsabilidades. Por isso, está sempre atrasado, não vê problemas em tirar um cochilo em pleno expediente e vive adiando tarefas.Mesmo assim, ele consegue conquistar Aline (Rosanne Mulholland), a nova secretária da Embelex. Em tempo recorde, o roteiro dá conta de apresentar, desgastar e terminar o romance dos colegas de trabalho, na intenção de justificar as iminentes motivações do protagonista.Para provar sua competência à ex-namorada e melhorar a imagem da empresa junto aos funcionários, Vlad se incumbe da missão de organizar a festa de fim de ano da firma, com a ajuda de uma estagiária completamente sem noção (Giovanna Lancellotti).Aos trancos e barrancos, depois de inúmeros obstáculos, a dupla, enfim, realiza a tal confraternização -o ápice do longa-metragem e das cenas estapafúrdias, que incluem a invasão de ativistas ambientais fantasiados de pinguins e uma aparição especial do festeiro Amaury Jr.Do início até o grand finale, um roteiro frágil sublinha os maiores estereótipos do universo corporativo na tentativa de soar engraçado. Pessoal do telemarketing só fala no gerúndio; galera da T.I. é nerd e aficionada por quadrinhos; pesquisadores do laboratório agem e se vestem como cientistas doidões.Cabe, então, ao elenco amenizar os tropeços da narrativa. Carismático, Veras garante um humor comedido que não sai do tom. A entrada de Priscilla (Lancellotti) com seu sotaque exagerado de Santa Rosa do "Viterrrrbo" traz frescor à trama. Destaque também para Maria Clara Gueiros, numa participação curta e divertida como chefona do RH.Sob qualquer ponto de vista, esse é um típico filme estilo pipoca (no caso, sem sal): descompromissado, zero ambicioso e superficial. Entretenimento de digestão rápida. Bastam alguns minutos após a sessão para esquecer que (e de) "Tudo Acaba em Festa". TUDO ACABA EM FESTAELENCO Marcos Veras, Rosanne Mulholland, Giovanna Lancellotti e Nelson FreitasDIREÇÃO André PellenzCLASSIFICAÇÃO 12 anos

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários