Aguarde...

ACidadeON

Lazer e Cultura

Hebe ganha homenagem de Andréa Beltrão e equipe de seu filme no dia em que faria 90 anos

| FOLHAPRESS

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A equipe do filme "Hebe - A Estrela do Brasil", que chega aos cinemas em agosto, resolveu homenagear a apresentadora na última sexta-feira (8), dia em que ela faria 90 anos, com a exibição do primeiro trailer do longa-metragem.O local escolhido não poderia ser melhor: a mansão no bairro do Morumbi, em São Paulo, onde a loira viveu seus últimos anos -ela morreu em 2012. Nascida em 8 de março de 1929, a maior apresentadora de TV que este país já teve fazia aniversário no Dia Internacional da Mulher.A ocasião contou com a presença da atriz Andréa Beltrão, que vive Hebe Camargo no filme e também em outra produção, uma série em dez capítulos já gravada para a Globo. Ao lado de Beltrão estavam a roteirista, Carolina Kotscho, o diretor, Maurício Farias, e também Cláudio Pessutti, sobrinho e agente de Hebe, que mora na bela residência construída pela apresentadora, até hoje preservada da forma como ela a deixou.O filme faz um recorte da vida de Hebe na década de 1980, com declarações e acontecimentos que ocorreram entre 1982 e 1987. "Um filme é sempre uma interpretação, uma visão sobre a história de cada um", diz o diretor Maurício Farias. E completa: "Um filme não é uma vida, é uma síntese. Mas a gente não queria inventar uma Hebe. Acho bom que pareça verdadeiro".Para Farias, é instigante poder levar ao público a intimidade daquela figura pública, um lado que as pessoas mal conheciam. "O mais interessante do filme é representar o que ninguém viu. Se for para reproduzir uma cena que está no YouTube, a Hebe real ganha da gente", brinca.O trailer dá a dimensão de uma vida doméstica que não combinava com a festa e o glamour promovidos por Hebe diante das câmeras. Interpretado por Marco Ricca, Lélio Ravagnani aparece como marido ciumento e até agressivo, em algumas ocasiões, como na cena em que ele atira uma garrafa contra um televisor.O elenco conta também com Danton Mello, que interpreta o sobrinho Cláudio, e Caio Horowicz, como o único filho da apresentadora, Marcello Camargo. Temos, ainda, Gabriel Braga Nunes como o primeiro marido de Hebe, Décio Capuano, Cláudia Missura como Nair Bello, grande amiga da apresentadora, e Daniel Boaventura como Silvio Santos. Stella Miranda faz Dercy Gonçalves e Felipe Rocha vive o cantor Roberto Carlos.Por mais que tenha usado roupas, joias e sapatos da apresentadora, Andréa Beltrão assegura que não é do tipo de atriz que "incorpora" outra pessoa. "É uma interpretação, não é uma imitação. Estudei a maneira como ela falava com a Íris Gomes, uma craque em prosódia. Teve uma longa caracterização. Eu não tenho nem metade do que a Hebe tinha de cabelo", diz.A atriz conta que se surpreendeu durante a gravação de cenas que reproduziam um programa de auditório. Na sequência, que contou com a participação de mais de 300 figurantes, ela foi tratada como se fosse a própria Hebe. "Ela era uma pessoa solar e, embora eu goste do sol, não sou de me abrir assim para o abraço, como ela fazia. Eu gosto de ficar mais invisível", revela Beltrão.Com parcerias entre FOX, Warner, Globo Filmes e Loma Filmes, produtora de Carolina, o filme mostra ainda as contradições entre a profissional arrojada e a esposa às vezes reprimida, enaltecendo posições transgressoras em questões como homossexualidade e aborto. Essa faceta também promete aparecer na minissérie e, ainda, nos depoimentos de um documentário."A Hebe não é de esquerda, nem de direita: a Hebe é direta", diz Andréa Beltrão no papel da apresentadora, em cena do trailer do longa, já disponível no YouTube.JOIAS EM POCHETE Um segredo que a roteirista Carolina Kotscho só agora revela diz respeito às famosas joias de Hebe Camargo. "É claro que a gente não poderia falar isso durante as filmagens, porque era muito arriscado, mas as joias usadas no filme são autênticas", conta. O problema, explica ela, é que nenhuma seguradora se dispôs a fazer o seguro do material: a questão não era definir o custo de diamantes, ouro e esmeraldas, mas sim o inestimável valor de peças que pertenceram à apresentadora."O figurinista tinha uma pochete com todas as joias dentro, e a gente o chamava de 'Hebinha'", lembra Andréa Beltrão, que se encantou com o efeito das pedrarias usadas em cena. "O interessante da joia é o brilho que ela provoca, né? Parece aquele globo de discoteca. Um dia, estávamos no carro e, quando o sol bateu, aquilo se refletiu em mil brilhos e luzes", diverte-se.A atriz conta, ainda, que só havia sapatos de grife no acervo da apresentadora e que ela teve a sorte de poder usar boa parte desses pares por calçar o mesmo número que a loira. Andréa usou também alguns modelos originalmente vestidos por Hebe, embora algumas peças do figurino tenham sido feitas especialmente para o filme e a série da Globo.Após mais de oito meses ostentando fios loiros, Andréa está de volta ao seu tom natural, agora bem curtinho, como usava em "Tapas e Beijos" seriado que, aliás, também foi dirigido por Maurício Farias, seu marido. "Meu cabelo caiu quase todo, de tanta tinta que usei durante esse tempo."ROBERTO CARLOS Além do filme e da minissérie para a Globo, ambos protagonizados por Andréa Beltrão com direção de Maurício Farias, Hebe Camargo ganhará um documentário sobre sua vida. Carolina Kotscho, que assina roteiro e direção dessa produção, gravou entrevistas com 40 pessoas que conviveram com a apresentadora ou tiveram suas vidas guiadas por ela de alguma maneira.O documentário conta com depoimento de Roberto Carlos -ele raramente aparece em produções do gênero, que se emociona ao relembrar a grande amiga. O ídolo da Jovem Guarda, aliás, também é retratado no filme "Hebe - A Estrela do Brasil".No longa, ele é o único personagem a ganhar um selinho da apresentadora. "O selinho é de uma outra época, vem depois", explica Carolina, que também assina o roteiro do filme. "Tudo o que está ali é ficção, mas é também verdadeiro. É um bordado. Como eu digo: aconteceu, mas não necessariamente naquela ordem", completa.No documentário também são ouvidas apresentadoras de TV como Xuxa, Eliana e Angélica, além de pessoas que participaram ativamente da rotina de Hebe, como a produtora de seu programa no SBT, Regina Souza. A produção chegará à TV provavelmente pelo canal pago GloboNews, talvez antes mesmo que a minissérie possa chegar à TV aberta -a data de estreia na Globo ainda não foi definida.A minissérie, convém dizer, não é uma reedição do filme. Ao contrário: enquanto o longa concentra a narrativa sobre um recorte da vida de Hebe nos anos 1980, a produção para a Globo abordará toda a trajetória da apresentadora, desde Taubaté, no interior paulista, onde nasceu, até sua morte, em 2012, em São Paulo. Tudo isso com direito à exposição do microfone do SBT na tela da Globo, uma façanha que somente Hebe Camargo mesmo conseguiria.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários