Publicidade

no pé do café

Qual é o melhor lugar para a produção de café?

Você está em dúvida de qual o melhor local para sua lavoura? Se é nas montanhas ou em áreas planas? Hoje vamos explicar quais são as diferenças de cada área.

| No Pé do Café -

Há dois sistemas de produção, na montanha, onde é feito o manejo manual ou nas áreas planas, com o manejo mecanizável. 

Para explicar a diferença de cada área, vamos mostrar quais são as características de cada uma. 

Cafeicultura de montanha:
- Declive acentuado;
- Adensamento;
- Mais plantas por hectare;
- Altitudes elevadas;
- Temperaturas mais amenas, favorecendo a qualidade da bebida do café;
- Manejo manual, sendo um vínculo mais próximo entre o cafeicultor e a planta. 

Vantagens na montanha:
- Maior número de plantas por hectare;
- Espaçamento entre as plantas são de dois metros;
- Ter uma plantação em altitudes elevadas, propicia um café com uma pontuação maior e com isso, o preço de venda também aumenta. 


Desvantagens na montanha:
- Por ser manual, o custo é mais elevado da colheita;
- O cafeicultor deve ficar atento a desbrota, para não prejudicar a produtividade. 


Cafeicultura em áreas planas:
- Ruas largas que facilitam o trânsito do trator;
- Lavoura mecanizada, ou seja, uma facilidade de manejo por ser realizada no momento certo, aumentando a produtividade.
Quando pensamos em alta produtividade, imaginamos a lavoura em áreas planas, onde há mais facilidade para as máquinas que auxiliam o desenvolvimento da planta. 


Vantagens em áreas planas:
- Custo de produção menor, mais competitivo em épocas de crise;
- Facilidade em conseguir realizar os manejos de forma rápida e na data certa. 


Desvantagem em áreas planas:
- Variação de temperatura e plantas espaçadas prejudicam a produtividade. 


É importante saber quais são os custos de produção dos dois sistemas também. O custo médio está em aproximadamente 12 mil reais por hectare. 


Em áreas planas, o custo varia entre R$ 9.000,00 a R$ 12.000,00 por hectare. O custo com máquinas, combustíveis e peças é o que mais impacta na lucratividade desse sistema.
Na montanha, a variação de custos fica entre R$ 12.000,00 a R$ 15.000,00 por hectare. A mão de obra na entressafra e na colheita é o fator que tem mais efeito no lucro. 

Por isso é necessário aplicar estratégias para reduzir custos e aumentar a produtividade e lucro em cada sistema. Portanto, na montanha para reduzir custos é indicado implantar terraciamento nas lavouras, reduzindo a dependência da mão de obra. 

O uso da tecnologia de adubos é uma boa estratégia para facilitar o manejo nas lavouras, pois é utilizada uma vez, reduzindo a mão de obra operacional. 

Para o sistema mecanizável, em áreas planas, a estratégia indicada é colocar mais plantas por hectares, ou seja, diminuir o espaçamento entre elas, realizar as podas necessárias garantindo a boa produtividade. 

Independente de qual área você escolher para ter sua lavoura de café, o importante é ter gosto pelo o que faz e cuidar muito bem, alcançando lucratividade e produtividade em qualquer um dos sistemas. 

Se você ainda ficou na dúvida sobre as diferenças de cada sistema, assista ao vídeo abaixo: 



Publicidade