Aguarde...

ACidadeON

Política

Moro: Vazamento de mensagens visa anular condenações como a de Lula

Ministro da Justiça sustentou que a divulgação é para atacar o esforço anticorrupção da Lava Jato

| FOLHAPRESS

O ministro Sérgio Moro (Foto de arquivo: EBC)
 

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Para o ministro da Justiça, Sergio Moro, o objetivo dos vazamentos de mensagens da Lava Jato é "anular as condenações, especialmente a de Lula" e "impactar a Lava Jato".As declarações foram veiculadas nesta quinta-feira (8), em entrevista do ministro para a revista Isto É. 

Moro sustentou que a divulgação das mensagens, que ocorrem desde o início de junho, acontecem para atacar o esforço anticorrupção da Lava Jato nos últimos anos.  

"Talvez o objetivo seja anular condenações, impedir novas investigações", afirmou.Segundo o ministro, "está claro que um dos objetivos é anular condenações, entre elas a de Lula." 

"Se verificarmos o grande sensacionalismo na divulgação dessas mensagens, muitas vezes com distorções no conteúdo, de contexto e que nem se pode dizer que sejam autênticas, é de supor que o objetivo principal era impactar a Lava Jato", afirmou.  

O ex-juiz falou seis vezes em sensacionalismo ao longo da entrevista.Para ele, as mensagens trouxeram um "celeuma desnecessário" à operação, apesar de perceber mais apoio à Lava Jato: "Grande parte das condenações exaradas por mim foram confirmadas em instâncias recursais. (...) O que eu tenho percebido, pelo contato com a sociedade, é que houve até a intensificação do apoio ao nosso trabalho". 

Sobre o conteúdo das mensagens vazadas, o ex-juiz federal tem dito não se lembrar se os diálogos ocorreram e afirma que eles podem ter sido alterados, embora não veja nada ilícito nas mensagens.Ele reafirmou isso quando questionado sobre um eventual abandono do cargo.  

"O que eu falei desde o início é que se fosse apresentado algo que eu tivesse feito de ilegal, ilícito ou imoral eu deixaria o cargo, mas sinceramente o que eu vi foi um monte de bobagens", afirmou.Uma das principais medidas de Moro na pasta de Justiça é o pacote anticrime, que altera o Código Penal, Código de Processo Penal, Lei de Execução Penal, Lei de Crimes Hediondos e Código Eleitoral. 

A Câmara dos Deputados, que analisa o pacote, está impondo derrotas ao ministro. Na última terça-feira, a Casa rejeitou a inclusão no texto final do "plea bargain" -tipo de solução negociada entre o Ministério Público, o acusado de um crime e o juiz.O ministro minimizou a derrota do artigo e disse ser "natural alguma dificuldade" com o congresso.  

"Nós estamos tentando convencer os parlamentares do acerto das nossas propostas."Ele voltou a defender as medidas relativas ao crime organizado e à prisão em segunda instância e demonstrou otimismo na aprovação delas dentro do pacote.  

"Na minha avaliação, seria importante uma deliberação do Congresso e acredito que ela acontecerá em breve", afirmou.Mensagens e a Lava Jato Quando as primeiras mensagens do Intercept vieram à tona, em 9 de junho, o site informou que obteve o material de uma fonte anônima, que pediu sigilo.  

O pacote inclui mensagens privadas e de grupos da força-tarefa no aplicativo Telegram a partir de 2015.As mensagens obtidas pelo Intercept e divulgadas até este momento revelam que Moro, então juiz federal, indicou ao procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, uma testemunha que poderia colaborar para a apuração sobre o ex-presidente Lula. 

O ex-juiz, segundo as mensagens, também orientou Deltan a incluir prova contra réu da Lava Jato em denúncia que já havia sido oferecida pelo Ministério Público Federal, sugeriu ao procurador alterar a ordem de fases da operação e antecipou ao menos uma decisão judicial. 

Nas conversas, Moro se posicionou contra investigar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.Caso haja entendimento de que Moro estava comprometido com a Procuradoria (ou seja, era suspeito), as sentenças proferidas por ele podem ser anuladas. Isso inclui o processo de Lula, que está sendo avaliado pelo STF. 

O artigo 254 do Código de Processo Penal afirma que "o juiz dar-se-á por suspeito, e, se não o fizer, poderá ser recusado por qualquer das partes" se "tiver aconselhado qualquer das partes". Já o artigo 564 afirma que sentenças proferidas por juízes suspeitos podem ser anuladas.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Mais do ACidade ON