Publicidade

cotidiano

Viracopos recebe lote com 5,5 milhões de doses da Coronavac

O lote recebido hoje é composto por 2,1 milhões de doses já prontas para aplicação e mais 2,1 mil litros de insumos

| ACidadeON Campinas -

Quarto e maior lote da vacina vindo da China desembarcou hoje em Viracopos (Foto: Denny Cesare/Código 19)

Um lote com 5,5 milhões de doses da vacina Coronavac desembarcou, na manhã desta quinta-feira (24), véspera de Natal, no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas.

O Secretário da Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, e o Presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, acompanharam a chegada do lote. O avião com a carga de vacinas pousou em Viracopos às 5h30 da manhã. Este é o quarto e maior lote do imunizante vindo da China que chega ao Brasil até então.  

A carga de 5,5 milhões de doses recebida nesta véspera de Natal é composta por 2,1 milhões de doses já prontas para aplicação e mais 2,1 mil litros de insumos, correspondentes a 3,4 milhões de doses que serão envasadas no complexo fabril do Butantan, na capital paulista.

MAIS CARREGAMENTOS

Outros dois carregamentos devem desembarcar no país na próxima semana, na segunda (28) e quarta-feira (30), totalizando 10,8 milhões de doses em solo brasileiro ainda em 2020. O início do Plano Estadual de Imunização segue previsto para o dia 25 de janeiro.

"Este é mais um importante passo no enfrentamento da pandemia no Brasil. O imunizante atingiu um índice de eficácia superior ao recomendado pela Organização Mundial de Saúde e, com isso, poderemos em breve solicitar à Anvisa o registro", disse o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.  



EFICÁCIA  

Ontem (23), o Governo do Estado de São Paulo afirmou que a vacina Coronavac tem eficácia superior a 50% e terá o registro pedido à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O Estado, no entanto, não divulgou os números que comprovam essa eficácia e eram previstos para a tarde dessa quarta-feira.  

A Sinovac Biotech, laboratório chinês que criou a vacina, pediu ao Instituto Butantan, patrocinador do principal estudo da sua fase 3 no mundo, o envio de toda a base de dados.

Os chineses querem unificar e equalizar os dados com os ensaios feitos em outros países, como Turquia e Indonésia, para evitar que índices diferentes sejam divulgados.

Isso deve levar no máximo 15 dias, e o governo paulista afirma que seu planejamento de começar a inoculação em 25 de janeiro está mantido. Tudo dependerá da velocidade de aprovação da Coronavac pela Anvisa. 

Leia mais sobre o anúncio da eficácia neste link

Publicidade