Aguarde...

cotidiano

Prefeitura mantém subsídio em R$ 72 mi ao sistema de transporte

Vale lembrar que em dezembro a Prefeitura de Campinas repassou mais R$ 10 milhões, além da verba mensal

| ACidadeON Campinas

(Foto: Reprodução/EPTV) 

A Prefeitura de Campinas congelou para 2021 o subsídio dado às empresas do transporte público coletivo. De acordo com decreto publicado no Diário Oficial desta quinta-feira (7), o valor deste ano será de R$ 72 milhões, como vinha ocorrendo nos últimos anos. 
 
LEIA MAIS 
Covid-19: Campinas tem mais 8 mortes e chega a 1,5 mil vítimas
 
Livraria Cultura confirma fechamento de única loja em Campinas

Segundo o Decreto 21.236, do total, R$ 60 milhões serão destinados ao Sistema Intercamp operado por ônibus das empresas concessionárias do transporte coletivo e mini/midiônibus do serviço alternativo, enquanto R$ 12 milhões serão dados ao PAI (Programa de Acessibilidade Inclusiva).

A verba é dividida ao longo dos 12 meses, sendo feito um repasse mensal de R$ 6 milhões - R$ 5 às empresas e R$ 1 milhão ao PAI.

Vale lembrar que em dezembro, além destes R$ 6 milhões, a Prefeitura de Campinas repassou mais R$ 10 milhões. A Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) informou que a verba complementar foi necessária para manter o equilíbrio econômico-financeiro do sistema.

A tarifa do transporte coletivo é uma das mais altas do Estado e está em R$ 4,95.

CRÍTICA

O SetCamp (Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano e Urbano de Passageiros da Região Metropolitana de Campinas) foi procurado e criticou o congelamento da verba.

Segundo a entidade, o subsídio projetado é menor que do ano passado, já que houve o complemento de R$ 10 milhões e que seria necessário R$ 144 milhões para 2021.

De acordo com Paulo Barddal, diretor de comunicação e marketing do SetCamp, a demanda atual está em cerca de 60% do mesmo período do final de 2019 e começo de 2020.

"Independente de tudo isso, os insumos do transporte não estão congelados. Para que o sistema continua funcionando com qualidade, precisa de no mínimo o dobro do valor publicado no Diário Oficial", disse.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON