Publicidade

cotidiano

Preso, taxista nega facada e alega legítima defesa durante briga

Homem ferido por faca passou por cirurgia; vítima mulher teve o nariz fraturado

| ACidadeON Campinas -

Caso foi apresentado no 1º DP de Campinas (Foto: João Alvarenga/EPTV Campinas)
 

*Matéria atualizada às 19h20 do dia 25 de outubro de 2021 

O taxista de 36 anos que foi detido pela GM (Guarda Municipal) de Campinas na tarde desta segunda-feira (25) por suspeita de agressão a dois motoristas de aplicativo alegou legítima defesa em depoimento, mas negou ter esfaqueado uma das vítimas.

Ele vai seguir preso e foi ouvido no 1º DP (Distrito Policial) depois de ser identificado pela placa do veículo. Na versão da advogada dele, Valéria Boullosa, o homem teria reagido após ser agredido durante a briga por uma vaga de estacionamento.

Além do suspeito, a mulher que fraturou o nariz após receber uma cabeçada também foi à delegacia para ser ouvida. No final da tarde, o homem que foi esfaqueado seguia internado no Hospital Municipal Mário Gatti após passar por uma cirurgia.  

O QUE DIZ A EMDEC 

A Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) afirmou em nota à EPTV Campinas que o serviço de táxi no município é explorado conforme o regime de permissão, mas alega que o motorista suspeito pelas agressões não é permissionário.  
 
A atuação do homem, portanto, será analisada e apurada, já que não se sabe se ele trabalha como motorista auxiliar na cidade. Em Campinas, segundo as regras atuais, cada permissionário pode ter dois condutores auxiliares.
 
O QUE DIZ A CAMP TAXI 

A cooperativa Camp Taxi alegou que "repudia qualquer atitude violenta e que o caso será analisado". 

Raio-X da vítima (Foto: Arquivo Pessoal)

O CASO

Na manhã de hoje, um homem e uma mulher ficaram feridos após serem agredidos por um taxista. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi chamado e socorreu as duas vítimas. O taxista fugiu, mas foi identificado pela placa do veículo.

De acordo com o homem e a mulher, que trabalham como motoristas de aplicativo, eles pararam para conversar em uma vaga que seria exclusiva para táxi, na Avenida Anchieta, na Praça Carlos Gomes, por volta de 11h20 de hoje.

Um taxista apareceu e começou a discutir com os dois motoristas. Eles, então, deixaram o local e pararam no semáforo.


Segundo a versão dos motoristas de aplicativo, nesse momento, um taxista apareceu e chutou o retrovisor do carro dos dois. O homem e a mulher saíram do veículo e uma nova discussão começou.

Em seguida, o taxista mostrou uma faca e esfaqueou o homem. Na mulher, ele deu uma cabeçada.

"Sem motivo nenhum. A gente saiu da vaga e parou no semáforo. Aí ele veio e fez essa covardia", disse a motorista de aplicativo Daisy Altheman, agredida pelo taxista.

Em um vídeo compartilhado por uma testemunha, é possível ver o rosto da mulher ensanguentado e o homem aguardando socorro. A testemunha ainda diz no vídeo que tem a placa do veículo utilizado pelo taxista (veja abaixo).

A mulher foi encaminhada para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) São José, onde fez uma radiografia da face que identificou a fratura do nariz. Já o homem estava no Hospital Mário Gatti, onde passou por uma cirurgia. 


Mais notícias


Publicidade