Publicidade

cotidiano

Médicos peritos do INSS encerram paralisação após 52 dias

Em alguns casos, os atendimentos foram remarcados, com atrasos em mais de dois meses

| ACidadeON Campinas -

Fachada da agência do INSS no Centro de Campinas (Foto: Reprodução/EPTV)

Após quase dois meses, a greve nacional dos médicos peritos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) foi encerrada nesta segunda-feira (23). 

A retomada acontece após 52 dias de paralisação. A greve começou no dia 30 de março, e afetou perícias em Campinas e em cidades da região. 

Em alguns casos, os atendimentos foram remarcados, com atrasos em mais de dois meses. Hoje, alguns beneficiários foram atendidos na agência do Centro de Campinas, única que realiza perícias médicas na cidade. Mas houve beneficiários que ainda tiveram os atendimentos reagendados (leia mais abaixo). 

Segundo a ANMP (Associação Nacional dos Peritos Médicos Federais), a diretoria da associação e o Ministério de Estado da Previdência e Trabalho firmaram o acordo que pôs fim à greve nacional. 

De acordo com a classe, durante o período de greve foram cerca de 600 mil perícias remarcadas no Brasil. O número de perícias reagendadas em Campinas ainda não foi informado. 

IMPACTOS 

A greve dos peritos médicos se iniciou uma semana após a greve parcial iniciada por servidores do INSS. O fim da paralisação dos servidores também deve ser decidido ainda hoje. 

Tanto médicos como servidores reivindicavam melhores condições de trabalho e reajuste salarial, entre outras questões. 

Em Campinas, a média era de 150 perícias realizadas por dia, de acordo com os servidores, e desde o início da paralisação os atendimentos foram afetados. Desde marços beneficiários estavam tendo agendamentos remarcados. Alguns deles, com dois meses de demora (leia aqui)

Durante a manhã de hoje e em meio ao anúncio de fim da greve, alguns beneficiários que estavam com perícias agendadas conseguiram ser atendidos na agência da Rua Barreto Leme, no Centro. Outros, no entanto, tiveram as perícias reagendadas novamente. 

"Marquei faz uns quatro meses, vim no mês passado não estava funcionando, ai remarcaram e hoje felizmente consegui ser atendida" disse a aposentada Marlene Tonicioli. A "sorte" não foi a mesma para o eletricista Dinei Lima. 

"É a segunda vez que tento marcar, já estou tentando faz quatro meses, não consegui por causa da greve dos servidores e por enquanto nada. Prejudicou muito, felizmente tenho amigos se não estava eu e minha família passando fome", contou. 

O mesmo aconteceu com o motoboy Matheus José da Silva. "Sofri acidente em março, e até agora nada, só adia, adia, por causa da greve, vim aqui hoje e agora remarcaram para julho, e por enquanto tem que ir se virando", disse. 

FIM DA GREVE 

Após o reinício das negociações com o Ministério do Trabalho e Previdência, a associação garantiu que os 18 itens da pauta de reivindicação fossem integralmente acolhidos. 

Ainda de acordo com a ANMP, também foi assinado o termo de acordo de reposição, "segundo o qual os valores descontados serão imediata e integralmente devolvidos e a compensação dos dias não trabalhados será realizada de modo presencial ou remoto, de acordo com a opção do próprio servidor, durante o prazo de oito meses". 

Entre as principais reivindicações dos peritos estava a fixação do número máximo de 12 atendimentos presenciais como meta diária, além da recomposição salarial de 19,99% para repor perdas de 2019 a 2022. 

Segundo a associação, "o resultado do movimento foi extremamente favorável para a categoria, pois representou a reconquista de várias prerrogativas subtraídas nos últimos dois anos e a obtenção de diversos ganhos novos".

Publicidade