Aguarde...

cotidiano

Covid-19: Indaituba investiga 3ª morte suspeita

Paciente era uma mulher de 77 anos; cidade cobrou agilidade do Instituto Adolfo Lutz em resultados de coronavírus

| ACidadeON Campinas

Vista aérea da Prefeitura de Indaiatuba (Foto: Divulgação)

A cidade de Indaiatuba divulgou nesta quinta-feira (26) que investiga a terceira morte suspeita no município pelo novo coronavírus. Em nota oficial, a Prefeitura da cidade cobrou ainda agilidade do Instituto Adolfo Lutz de São Paulo para a entrega dos testes confirmando ou não as mortes na cidade.

A Prefeitura disse que em ofício para o Instituto Adolfo Lutz, solicitou informações urgentes, uma vez que os casos suspeitos têm aumentado e neste período ocorreram óbitos de sintomáticos respiratórios e ainda não houve retorno da maioria dos exames colhidos.

O terceiro óbito em investigação trata-se de uma mulher de 77 anos, hipertensa e diabética, que possuía problemas renais e estava em isolamento respiratório, porém sem ventilação mecânica.

A primeira morte suspeita foi no dia 16 de março e é uma mulher de 42 anos, cardíaca e diabética. Ela apresentou sintomas gripais. Já a segunda foi de uma mulher de 77 anos. O caso foi confirmado como sendo coronavírus no dia 24 de março. Ela era paciente renal crônica e estava internada há mais de duas semanas e apresentou também problemas respiratórios.

A cidade tem ainda 97 casos suspeitos, nenhum confirmado e quatro descartados do novo coronavírus.  

Leia mais notícias sobre o coronavírus do ACidade ON Campinas

OUTRO LADO

Em nota oficial, o Instituto Adolfo Lutz informou que está priorizando o processamento das amostras de casos graves e óbitos e que os exames devem ser solicitados somente para pacientes internados graves ou críticos, para unidades sentinelas e profissionais de saúde

Além disso, o instituto disse que "o teste não impacta no tratamento da pessoa, que é feito apenas do ponto de vista clínico, e que o acompanhamento do cenário da covid-19 também pode ser embasado no critério clínico-epidemiológico, assim como ocorre com outras doenças infecciosas".

Além disso, diante do número de pedidos de diagnóstico, a Secretaria Estadual de Saúde disse que "já adquiriu 60 mil testes extras para suporte do Instituto Adolfo Lutz e está estudando importar novos insumos, que visam abastecer a rede e dar mais agilidade nos diagnósticos do novo coronavírus".

Mais do ACidade ON