Aguarde...

cotidiano

Unicamp fará 180 mil testes para diagnóstico da covid-19

Reitor da Unicamp prometeu número e disse que produção de testes está sendo negociada com o governo estadual de SP

| ACidadeON Campinas

 
Processo de criação do teste da covid-19 teve início no dia 17 de março na Unicamp (Foto: Divulgação)

A Unicamp, em Campinas, planeja produzir até 180 mil testes de diagnóstico para o novo coronavírus e está negociando com o Estado de São Paulo o financiamento dessa testagem em massa. Os exames ainda não estão sendo realizados para toda a população, mas 300 já foram validados pelo Leve (Laboratório de Estudos de Vírus Emergentes) do IB (Instituto de Biologia) da universidade, em colaboração com outros docentes da FCM (Faculdade de Ciências Médicas.  

Esse número foi o possível de ser feito com os insumos que a Unicamp disponibilizava e estão sendo aplicados em pacientes do HC (Hospital de Clínicas). No total, a universidade precisa de R$ 12 milhões de financiamento para produzir os testes. A ideia é realizar cerca de 5 mil por dia.

O processo de elaboração do teste segue "padrão ouro" da OMS (Organização Mundial da Saúde), e começou no dia 17 de março. Nesta quarta-feira (1º), a Unicamp foi habilitada pelo Instituto Adolfo Lutz para realização desse diagnóstico da covid-19, mas precisa do financiamento do Estado. 

"Em pouco mais de duas semanas desenvolvemos a capacidade de fazer o teste e solicitamos o credenciamento com o Instituto Adolfo Lutz. Fizemos o primeiro teste hoje e funcionou bem", disse Marcelo Knobel, reitor da Unicamp. O exame funciona a partir da amostra do coronavírus do primeiro paciente infectado no Brasil. Com isso, os pesquisadores iniciaram os procedimentos que visam dar agilidade ao diagnóstico local.

O reitor afirmou ainda que recebeu apoio econômico de diversos órgãos, além de doações da sociedade. "Agora, precisamos de financiamento para continuar fazendo a produção dos exames. Requer a importação de insumos cada vez mais caros e escassos no mercado internacional. Às vezes, conseguimos, mas não têm o voo por conta das linhas aéreas estão limitadas", disse.

LEIA TAMBÉM  

Reitor da Unicamp critica Bolsonaro: "vive em um universo paralelo"
Covid-19: Unicamp permite que alunos tranquem semestre


REPASSE

Knobel disse também que está em fase final para abrir 40 leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) na Unicamp, mas que o repasse estadual ainda não chegou. "Estamos negociando, mas ainda não recebemos nada", disse. Os leitos serão criados no HC (Hospital de Clínicas) da Unicamp.  Ele afirmou que o custo de implantação de um leito de UTI é de R$ 180 mil e sua manutenção chega a R$ 2,5 mil por dia.

Além disso, o reitor afirmou que o IB (Instituto de Biologia) tem trabalhado na produção de máscaras e respiradores para os pacientes com coronavírus. "Esse é o papel da universidade pública. A situação está ficando gravíssima. Sofreremos um caos. Estamos trabalhando para equacionar a questão", disse. 

OUTRO LADO 
 
O governo estadual foi procurado para comentar o financiamento tanto dos testes de covid-19 quanto para os leitos de UTI. Sobre os leitos de UTI, respondeu: "A Secretaria de Estado da Saúde esta estudando e preparando esquema especial de gestão de leitos hospitalares, para dar prioridade à internação de pacientes com quadros respiratórios agudos e graves". 

Além disso, a pasta informou que o SUS em SP possui 57 mil leitos gerais e 3,5 mil de UTI. A pasta estadual já está realizando a ampliação de 1,4 mil leitos de UTI para os atendimentos a casos de covid-19 e outros mil estão sendo analisados e poderão ser ativados de acordo com a necessidade para ampliar a assistência aos casos de coronavírus, a exemplo dos 40 de UTI do HC de Campinas.

Mais do ACidade ON