Aguarde...

cotidiano

Campinas bate recorde e registra 7 mortes por covid-19 confirmadas em 24h

O número de casos em investigação caiu de 369 para 328. Também aumentaram os casos descartados passaram de 1.858 para 2.234.

| ACidadeON Campinas

Secretário Wanderley de Almeida. (Foto: Divulgação/Prefeitura de Campinas)
 
A Prefeitura de Campinas atualizou os números da covid-19 na manhã desta sexta-feira (22) na cidade. Houve um aumento de sete mortes em relação aos números divulgados ontem - é o maior número registrado de confirmações de óbitos de um dia para o outro desde o início da pandemia. As mortes foram registradas de 16 de maio até ontem, mas as confirmações ocorreram nas últimas 24 horas. Agora, Campinas soma 51 óbitos pela doença. Ainda há outros 18 óbitos que estão em investigação.  

Também aumentaram os casos confirmados chegando a 1.133 (61 a mais do divulgado ontem). O número de casos em investigação caiu de 369 para 328. Também aumentaram os casos descartados que passaram de 1.858 para 2.234.

Ao todo, desse total, 867 pessoas já estão recuperadas da doença - 74 a mais do número divulgado ontem.  

Hoje são 73 pessoas internadas pela doença - 15 a menos do que as anunciadas ontem. Também há 152 pessoas em isolamento em suas casas - cinco a menos do que ontem.    

LEIA TAMBÉM 
Alesp aprova feriado estadual na próxima segunda-feira
Isolamento: cidades da RMC ficam abaixo da média estadual

Os novos números foram divulgados pelo secretário de Relações Institucionais, Wanderley de Almeida, durante live pelas redes sociais. "Foi o maior salto de número de mortes já divulgados. Foram sete mortes confirmadas de ontem para hoje", afirmou o secretário.  
 
"Os números de Campinas, ainda são, diante do que está acontecendo no país, diria que até dá para dizer que estamos em uma situação diferenciada em relação ao resto do país. Seja na quantidade de casos, no índice de mortalidade ou seja na nossa capacidade de assistência. Mas fica o apelo para que as pessoas deem a dimensão daquilo que estamos vivendo. Ouçam as autoridades. Fiquem em casa, deem sua contribuição. As autoridades não vão em um passe de mágica, se a população não entender o que estamos falando. A situação é grave e precisa ser tratada como ela é. Ela requer cuidado e a contribuição da população. Campinas não é uma ilha ", continuou o secretário.
 
As vítimas fatais são: 
 
Um homem de  88 anos que já tinha doenças pré-existentes e estava internado em hospital público; 

Um homem de 71 anos que já tinha doenças pré-existentes e estava internado em hospital público; 

Uma mulher de 74 anos, morreu dia 20 de maio, que já tinha doenças pré-existentes e estava internada em hospital público;  

Uma mulher de 85 anos de idade, morreu dia 16 de maio, ela já tinha doenças pré-existentes e estava internada em hospital público; 

Um homem 41 anos, morreu no dia 19, ele já tinha doenças pré-existentes e estava internada em hospital público; 

Uma mulher 103 anos, morreu 19 de maio, ela já tinha doenças pré-existentes e estava internada em hospital público; 

Uma mulher 73 anos, morreu em 21 de maio, ela já tinha doenças pré-existentes e estava internada em hospital particular.

Mais do ACidade ON