cotidiano

Especial coronavirus

Campinas estima perda de 5% de vacinas contra a covid-19

A secretaria de Saúde confirmou nesta quinta-feira (18) que estima a perda de 5% das vacinas recebidas conta a covid-19 em Campinas

| ACidadeON Campinas -

Perda de vacina é aceitável em até 5%. (Foto: Governo do Estado/Divulgação) 

A Secretaria de Saúde de Campinas informou nessa semana que estima a perda de 5% das doses de vacinas recebidas conta a covid-19 no município. O percentual é o máximo considerado aceitável pelo Ministério da Saúde.

Segundo o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 , é definido um percentual de "perda operacional" de 5% para a campanha da covid, e os vacinadores têm que registrar cada dose perdida. A atualização destas informações ajuda a criar estratégias de planejamento.
  
MAS QUANTAS SÃO?

O ACidade ON questionou a Prefeitura o número exato de doses perdidas na cidade, mas a Prefeitura não divulgou esse dado.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, já foram destinadas para Campinas 93.275 doses de vacinas contra a covid-19. Usando esse dado de números de doses para o cálculo da perda de 5%, chegamos ao número de 4.663 doses perdidas na cidade. O Município não confirmou esse número. 
 
LEIA TAMBÉM  
Saiba tudo sobre vacinação em Campinas


Até hoje, Campinas tem 57.513 pessoas vacinadas, o que representa cerca de 6% da população total (leia mais aqui). A vacinação, que completou o primeiro mês ontem, agora só acontece para idosos acima de 85 anos, ou em segunda dose para profissionais de saúde.   

EVITAR DISPERDÍCIO
 
Apesar do limite aceitável, a nota técnica do ministério faz um alerta: "não desperdice doses de vacina". A recomendação é para direcionar as vacinas que sobram, no fim do dia, "para pessoas contempladas em alguns dos grupos priorizados".
Assim que o frasco é aberto, a vacina começa a sofrer um processo natural de degradação.

A decisão de colocar várias doses em um único frasco é estratégica, porque facilita muito o transporte e o armazenamento da vacina. O Instituto Butantan disse que também considerou as perdas naturais, que ocorrem durante preparação das doses, e colocou, em cada frasco de dez doses, um "chorinho": 1,2 mililitro a mais.

Assim que o frasco é aberto, a vacina começa a sofrer um processo natural de degradação. O prazo de validade é de até 8 horas, com o frasco guardado na geladeira. E, tanto a CoronaVac envasada pelo Instituto Butantan, como a vacina Oxford/AstraZeneca, em parceria com a Fiocruz, têm dez doses de meio mililitro em cada frasco.

O QUE DIZ A PREFEITURA  

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que faz um cálculo de acordo com o número de pessoas agendadas para vacinar no dia para minimizar sobras de vacina.
 
"Ao final do dia, os Centros de Imunização também passam a usar os frascos de dose única da vacina Coronavac do Instituto Butantan, conforme o número de pessoas agendadas", disse a Pasta.  

Questionada sobre os motivos da perda estimada, a Saúde disse que ainda que casos de descarte podem acontecer até mesmo em recebimento de doses vazias.  

"A perda técnica de doses, de qualquer vacina, pode ocorrer devido a diversos motivos como, por exemplo, frascos que foram recebidos pelo município e estão sem rotulação ou identificação e frascos vazios. Eles são contados como recebidos, mas não podem ser aplicados. No caso de frascos com dez doses, ao final da aspiração da nona dose também pode não haver quantidade suficiente para aplicação da última dose, ocorrendo perda", disse a Saúde, afirmando que não há problemas de armazenamento na cidade.

Mais notícias


Publicidade