Aguarde...

ACidadeON Campinas

docon

ARTIGO: Corte na taxa de juros deve estimular construção civil

Além estimular a construção civil, o nova taxa vai criar empregos a médio e longo prazo. Confira na coluna do Presidente da Habicamp

| ACidadeON Campinas

Francisco de Oliveira Filho é presidente da Habicamp (Associação Regional da Habitação) de Campinas (Foto: Divulgação)
 

Na última quarta-feira (18), como já era esperado pelo mercado e empresários, o Banco Central mais uma vez cortou a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, baixando a SELIC para 5,50% ao ano, a menor taxa dos últimos anos. E a tendência é de que ela continue caindo ainda mais até o final deste ano, com perspectiva de chegar a 4,5% em dezembro.

Mas, na prática, o que esta redução na taxa básica de juros representa para o setor da construção civil e para o bolso do consumidor que planeja adquirir um imóvel através de financiamento imobiliário?

Este indicador Selic - é o mais importante para o segmento imobiliário. Ele é empregado para balizar as taxas de juros dos financiamentos imobiliários e financiamentos destinados às construtoras, no que tange ao cálculo das prestações de empréstimos de financiamento. Vale lembrar, ainda, que a taxa de 5,50% é considerada baixa, sobretudo quando a comparamos a anos anteriores, acima dos dois dígitos.

Do lado do mercado imobiliário, como construtoras e incorporadoras, quanto mais a taxa de juros for reduzida, mais benefícios ela traz em termos de custos. A redução da Selic significa menos impacto nos custos das construtoras e, consequentemente, mais recursos disponíveis para lançamentos e construções de unidades habitacionais. Com isso, o mercado estará aumentando o número de obras e as contratações.

Quanto ao consumidor final, as constantes reduções já feitas e as que estão por acontecer afetarão diretamente no valor do financiamento imobiliário. A redução da Selic é acompanhada diretamente pelas instituições financeiras, tanto públicas como privadas, através de cortes nas taxas de juros dos financiamentos.

Com isso, os empréstimos de médio e longo prazo devem representar parcelas menores em um momento em que o mercado dá sinais de recuperação. Isso aumenta a confiança do trabalhador na aquisição do imóvel, seja ela como sua primeira casa ou apartamento, ou para futuro investimento.

Logicamente, a inflação é um índice que influencia diretamente o mercado imobiliário. Quando ela está muito elevada, por exemplo, é muito mais difícil que alguém se disponha a fazer um investimento de longo prazo, visto que os valores de eventuais parcelas serão ajustados e elas podem ficar muito maiores do que no início.

É importante lembrar, ainda, que a redução da Selic deve trazer outros impactos para o setor imobiliário, como os fundos de investimentos, que vêm crescendo muito rapidamente no Brasil nos últimos dois anos. Hoje, já são mais de 350 mil pessoas físicas investindo neste tipo de fundo, contra 100 mil há pouco mais de dois anos. A expectativa é de eu atinjam500 mil investidores até o inicio do próximo ano.
Com as aplicações pagando baixos rendimentos, investir em fundos imobiliários vem se tornando um atrativo, especialmente em fundos voltados para shoppings, galpões e edifícios comerciais, que apresentam altos crescimentos com a economia estabilizada e em reaquecimento. Isso, diretamente, afetará as construtoras, de forma positiva, que devem, também, gerar mais empregos em um momento em que o Brasil tanta precisa abrir vagas de trabalhos formais.

Francisco de Oliveira Lima Filho Presidente da Associação das Empresas do Setor Imobiliário e da Habitação de Campinas e Região (Habicamp), entidade que reúne empresas associadas e 60 empresas parceiras como construtoras, incorporadoras, fabricantes de materiais, investidores e profissionais que atuam em toda a cadeia da construção civil. Habicamp.com.br

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON