Aguarde...

cotidiano

Edinho Silva (PT) é reeleito prefeito de Araraquara

Com resultado eleitoral, Edinho Silva segue para o seu quarto mandato e passa a ser o político que mais vezes foi eleito como chefe do Executivo

| ACidadeON/Araraquara

 

Edinho discursou como prefeito reeleito (Foto: Amanda Rocha/ACidade ON)

 
Reeleito prefeito de Araraquara, Edson Antônio Edinho da Silva faz história. O candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) recebeu 46% dos votos válidos, neste domingo (15), para exercer seu quarto mandato a frente do Executivo araraquarense.

O site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sofre com lentidão do sistema e ainda está sendo atualizado, mas a vitória foi confirmada pela reportagem no Cartório Eleitoral com 100% das urnas apuradas.

Com a apuração praticamente encerrada no município, o petista passa a ser o político que mais vezes recebeu a preferência do eleitorado para ser chefe do Executivo araraquarense - eleito em 2000, 2004, 2016 e 2020.

Silva é o 18º prefeito eleito através do voto direto no município e pode, caso cumpra todo o mandato, se tornar ainda o político a permanecer por mais tempo na função - a frente de Waldemar De Santi, com 14 anos e três meses e Plínio de Carvalho, com 13 anos.

A eleição municipal poderia ser ainda mais histórica, porém, com alta taxa de abstenção, Silva não conseguiu bater outra marca de ser tornar o candidato mais votado. Essa marca segue pertencendo a Marcelo Barbieri (MDB), em que em 2012 obteve quase 60 mil votos - ou 59.336 votos.    


    

QUEM É EDINHO SILVA
Natural de Pontes Gestal, Edson Antônio Edinho da Silva, de 55 anos, é formado em ciências sociais. O petista foi vereador por duas vezes em Araraquara, deputado estadual, presidente estadual do PT e ministro do Governo Federal. Agora, reeleito, vai exercer seu quatro mandato como prefeito.   

Edinho Silva prefeito de Araraquara (ACidadeON)

ANÁLISE
O cientista político, Bruno Silva comenta a vitória de Edinho Silva em Araraquara e diz que o resultado não surpreende.

"No Brasil, de maneira geral, a reeleição é um instrumento que historicamente beneficia os atuais mandatários de cargos eletivos, salvo em casos nos quais haja intenso desgaste político ao longo do mandato, fatores internos ao governo que o desestabilize ou escândalos que mobilizem a opinião pública. Aqui em Araraquara a regra foi novamente verificada. A vitória de Edinho Silva era ventilada como certa nos bastidores políticos. Por isso o resultado favorável a ele não surpreende", diz ele.

A pandemia do coronavírus influenciaram as eleições, na opinião de Bruno Silva. "Foi uma campanha de continuidade muito influenciada pela conjuntura da pandemia, a qual concentrou o debate em questões relacionadas à geração de emprego, saúde e educação. Todas áreas que sofreram impactos substantivos devido à pandemia da covid-19".

Outro ponto destacado pelo cientista político é a fragmentação da política local. "Sem contar que a fragmentação da oposição política local, a qual apresentou diferentes candidatos com propostas sem muita distinção em relação ao atual prefeito, que pudessem ser mais críveis para o eleitor, fez com que as chances de vitória de Edinho fossem maiores".

"Em termos de estratégia eleitoral houve forte repetição do que já havia sido identificado nas últimas eleições de 2016: o agora reeleito prefeito utilizou a narrativa de vítima dos ataques dos demais candidatos que miravam a desconstrução da sua imagem e pessoa, enfatizando o fato de todos possuírem muita proximidade política ao terem participado ou se aproximado do governo anterior ao seu (o governo do ex-prefeito Marcelo Barbieri, prefeito por duas ocasiões entre 2009-2016). Em outros termos, Edinho insistiu na campanha de que todos os seus principais opositores se concentraram em um mesmo grupo político que tinha como objetivo enganar a população e atacá-lo indiscriminadamente. Conforme mostra o resultado, a estratégia funcionou. Aos candidatos derrotados fica a expectativa para 2024, momento no qual uma nova janela de oportunidade se abrirá sem candidatos à reeleição, semelhante ao que ocorreu no já distante pleito de 2008", finaliza Bruno Silva.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON