Publicidade

brasilemundo

Venezuela terminará 2021 como o país mais pobre da América Latina

Segundo projeções do FMI, o país terminará o ano com a menor renda per capita da região: US$ 1.627

| Estadao Conteudo -

 

Sede do FMI (Foto: Reprodução/Google Street View)

Por Fernanda Simas
O Haiti sempre foi o país mais pobre da América Latina. Devastado por terremotos e imerso em crises políticas, o país se acostumou com o poder do crime organizado e com o colapso econômico permanente, uma fábrica de refugiados. Mas, quando o ano acabar, o primo mais pobre dos latino-americanos será a Venezuela.

Segundo projeções do FMI, o país de 28 milhões de habitantes, com uma das maiores reservas petrolíferas do mundo, terminará o ano com a menor renda per capita da região: US$ 1.627 - atrás do Haiti, com US$ 1.690. Dez anos atrás, a renda per capita do país era de US$ 12,1 mil.

Venezuelanos e analistas econômicos não veem a notícia com surpresa. Para Erik de Bufalo, professor da Universidade Simón Bolívar, a posição da Venezuela é reflexo da política econômica chavista. "Para um país que já teve a terceira maior economia da região, essa situação é lamentável. Mas não é uma surpresa, porque o modelo de exploração chavista tem levado a isso". Em sete anos, o PIB do país caiu 81,8%.

Alan Zamayoa, analista de risco da Control Risks para América Central e Caribe, surpreendeu-se com o fato de o Haiti sair da última posição. "Aqui no Haiti não tivemos um crescimento econômico significativo em três anos. Antes da pandemia o Haiti já não tinha uma boa performance econômica. Agora, a insegurança também impacta na economia."

"Devemos avaliar a performance em relação às oportunidades de cada país. A Venezuela é um dos maiores produtores de petróleo, por isso é um desastre muito maior, mesmo que o Haiti seja um pouco mais pobre. A situação econômica e social é tão dramática que se a economia contraiu um pouco mais ou um pouco menos do que o Haiti, continua sendo um ponto muito fora da curva", afirma o economista chefe para a América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos.

COLAPSO

Para quem vive na Venezuela, o cotidiano evidencia o que o FMI escancara em números. De acordo com um estudo recente elaborado por universidades venezuelanas, 76,6% da população vive com menos de US$ 1,2 dólar ao dia e 8 milhões de pessoas estão desempregadas.

"A indústria nacional está muito enfraquecida, não produzimos nada. Há muita insegurança com relação às empresas estatais, por exemplo. A projeção do FMI prova que a economia não se recuperou Continuamos sem produzir bens e serviços e com uma hiperinflação que aumenta os preços a cada dia", afirma o radialista Nehomar Hernández, de 33 anos.

A Venezuela vive em hiperinflação há 47 meses, quase quatro anos, o maior colapso econômico de todos os tempos de um país que não está em guerra. No final de 2022, segundo o FMI, o país terá tido 79% de contração da economia desde 2013, mais que o dobro da contração da Grande Depressão nos EUA (28%).

Durante seu governo, o presidente Nicolás Maduro realizou três reconversões da moeda e eliminou 14 zeros do bolívar nos últimos 13 anos. Recentemente, para tentar conter a crise, o chavista diminuiu os controles sobre as importações.

"Quem chega a Caracas hoje acredita que nossa situação econômica melhorou. Um dos motivos é o fenômeno das bodegones, lojas de produtos importados onde se vende tudo o que você vê nas prateleiras de Miami. Maduro apostou em gerar uma ilusão de bem-estar econômico, mas isso chega a 10% ou 20% da população. O restante vive com US$ 1 por dia", diz Hernández.

DOLARIZAÇÃO

Nas ruas, o dinheiro que mais circula é o dólar. Nas bodegones a situação é a mesma. E o acesso ao dólar se massificou entre a maior parte da população, justamente em razão da desvalorização da moeda local.

"O bolívar está desvalorizado. É preciso muitas notas para pagar uma coisa simples. Agora, o acesso ao dólar está disseminado porque trabalhadores informais e independentes, desde mecânicos até médicos, cobram os serviços em dólar. Em geral, os serviços valem o mesmo que fora do país", afirma Hernández.

ALTERNATIVA

De Bufalo explica que essa dolarização informal da economia venezuelana foi uma opção do chavismo. "Agora, o governo substitui o que se produzia por importações controladas pelo Estado. Esse modelo exclui a base da economia, as instituições e até a indústria petrolífera sai afetada."

Hernández se considera privilegiado por integrar uma classe média alta, com casa própria e um carro para circular por Caracas. Trabalhando para uma rádio espanhola há três anos, ele recebe seu salário de fora do país e isso permite que ele "viva em certo conforto". "Mas isso não é comum. Eu sei que estou entre os 20% da população, no máximo, e sei como precisamos de um país melhor", afirma.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade

Últimas Notícias

Rodízio de veículos em São Paulo volta a valer nesta segunda-feira
Estados vão avaliar áreas turísticas suscetíveis a desastres
Anvisa confirma segundo caso de superfungo no Brasil
Covid: metade das cidades não teve ajuda federal para testar cidadãos, diz estudo
Médicos da rede municipal de São Paulo decidem fazer paralisação no dia 19
Covid-19: Saúde envia à Anvisa nota defendendo liberação de autoteste
Mundo registra 3,6 milhões de casos de covid-19 em um dia e bate novo recorde
Com baixo estoque, laboratórios sugerem testes de covid só para casos graves
Anvisa recomenda suspensão definitiva da temporada de cruzeiros
Análise do TCU diz que governo foi negligente no enfrentamento da crise hídrica
Rede RaiaDrogasil suspende agendamento online de testes de covid
Casos de covid-19 nos EUA crescem 47% na última semana e o de mortes, 40,4%
Na cidade do Rio, 38% dos internados por covid-19 não tomaram vacina
Minas Gerais: chuvas causam 10 mortes em 24 horas
Médicos dos EUA fazem primeiro transplante de coração de porco em humano
Anac diz que monitora cancelamento de voos por covid-19
Geólogos farão inspeções na região dos cânions do Lago de Furnas
Autoridades alertam para alto risco de rompimento de barragem em Minas
Buscas por fragmentos de corpos continuarão em Capitólio
Enem: contribuição de mulheres nas ciências da saúde é tema de redação

Publicidade

Viu Essa?

Morre a atriz Françoise Forton, aos 64 anos
BBB 22 quer interagir mais com o público
BBB 22: confira participantes confirmados para reality show

Mais notícias


Publicidade