Publicidade

cotidiano

Tinoco, a anta do Bosque dos Jequitibás, se muda para Guarulhos para conhecer namorada

Por ser filhote, Tinoco ainda não está em um relacionamento, mas mudança precoce foi necessária para adaptação

| ACidadeON Campinas -

 

Tinoco foi transferido para o zoológico de Guarulhos para começar um relacionamento (Foto: Divulgação/Prefeitura de Campinas)

O Tinoco, filhote de anta macho que vivia no Bosque dos Jequitibás, em Campinas, foi transferido para o zoológico de Guarulhos para conhecer a namorada. Apesar de ainda ser filhote, a mudança foi necessária para que ele pudesse se adaptar. 

Tinoco nasceu em setembro do ano passado, e é filho do casal de antas Madalena e Antônio. Na época ele teve o nome escolhido pela população nas redes sociais, e o ACidade ON Campinas acompanhou a votação. (relembre aqui) 

Segundo a Prefeitura, Tinoco foi transferido para o zoológico de Guarulhos há um mês para começar um relacionamento com a fêmea de lá, chamada Antônia. Com cinco meses de idade, o Tinoco ainda é um bebê para "namorar", mas a mudança foi pensada por causa da adaptação. 

Segundo o veterinário do Bosque, Douglas Presotto, a ida precoce dele para Guarulhos é importante para minimizar o estresse de adaptação para um novo ambiente, a um novo recinto e a um novo grupo de animais. 

"Até atingir a idade reprodutiva - que é com 3 anos - a expectativa é que Tinoco já esteja bem adaptado à sua nova vida e possa se reproduzir", explicou. 

Por Tinoco e a fêmea de Guarulhos serem de origens diferentes, o veterinário acredita que o cruzamento entre eles vai proporcionar uma boa variabilidade genética da espécie. 

A NAMORADA

A fêmea destinada para Tinoco se chama Antônia. Ela viveu por alguns anos com o macho Antenor e o casal teve duas fêmeas. Uma delas foi encaminhada para um mantenedor e a irmã seguiu para o Projeto Refauna, na Reserva Ecológica de Guapiaçu, no Rio de Janeiro. 

O macho Antenor morreu em junho de 2020. Com a chegada de Tinoco, a ideia é que o novo casal possa se reproduzir e contribuir para a conservação da espécie, gerando novos descendentes que poderão ser reintroduzidos na natureza.

Mais notícias


Publicidade