Publicidade

cotidiano

PF de Campinas deflagra operação contra fraudes de R$ 115 milhões

Empresa de Amparo atuava no mercado de câmbio paralelo, comercializando moedas estrangeiras em espécie e sem autorização

| ACidadeON Campinas -

Mandados são cumpridos em endereços de Amparo (Foto: Divulgação PF)
A Polícia Federal de Campinas deflagrou na manhã desta quinta-feira (27) uma operação para apurar crimes financeiros que causaram prejuízo ao Sistema Financeiro Nacional na ordem de R$ 115 milhões

Segundo a corporação, a investigação, que se iniciou no ano passado a partir de informações bancárias compartilhadas pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), identificou uma empresa sediada em Amparo, que atuava no mercado de câmbio paralelo, comercializando moedas estrangeiras em espécie, e também realizando operações de dólar-cabo, para remessa de valores ao exterior. 

De acordo com a PF, as atividades eram desenvolvidas sem a autorização e fiscalização do Banco Central do Brasil.  

A investigação resultou em três mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo. Os mandados de hoje são cumpridos em endereços de pessoas físicas e jurídicas localizados no município de Amparo.

A operação foi denominada Cash Box, nome que faz alusão ao nome da empresa utilizada para o crime (Caixa de Recebimentos), que funcionava como um estabelecimento para recebimento de pagamentos.
 
LEIA TAMBÉM  
Após um ano, reabertura de Poupatempo no Centro de Campinas segue sem data 
SP monitora três passageiros de voo onde foi confirmado caso de variante indiana 
Três homens são presos após furtar estepes de veículos em Viracopos 
UTI-Covid: Campinas tem apenas um leito livre no SUS

 

MOVIMENTAÇÕES 

Segundo a Polícia Federal, no período de março de 2015 a junho de 2020, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras identificou a movimentação em espécie no valor de R$ 115,5 milhões vindas do esquema ilegal. 

Só no ano de 2019, a empresa recebeu mais de R$ 83 milhões, sendo que segundo as investigações, grande parte do valor veio através de depósitos em espécie, dificultando o rastreamento da origem dos recursos. 

As penas para os envolvidos podem chegar a 10 anos de prisão, sem prejuízo de outros crimes que venham a ser verificados no decorrer das investigações.


Publicidade