Publicidade

cotidiano

PF prende em Sumaré criminoso que operou maçarico em mega-assalto de Araçatuba

Segundo a corporação, homem integrava o núcleo central da organização criminosa e atuou diretamente no roubo

| ACidadeON Campinas -

Homem seria o responsável por usar maçarico para invadir bancos (Foto: Divulgação PF)



A Polícia Federal prendeu hoje (22) em Sumaré um homem acusado de integrar o núcleo central da organização criminosa responsável pelo mega-assalto a bancos que levou terror a cidade de Araçatuba em agosto do ano passado. 

Segundo a corporação, o criminoso atuou diretamente no roubo, "sendo o responsável por operar o maçarico utilizado não só para romper os obstáculos até a sala cofre, mas também os próprios cofres".

Em vídeos divulgados pela PF, é possível ver o acusado usando a ferramenta para acessar um dos cofres. Os bandidos arrombaram os cofres das agências bancárias da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil.

O criminoso foi detido e encaminhado pra superintendência da Polícia Federal, em São Paulo. 



OPERAÇÃO

A prisão aconteceu durante uma nova fase da operação que investiga os responsáveis pelo mega assalto, deflagrada hoje.

Durante a manhã, policiais federais, apoiados pela Polícia Militar, cumpriram quatro mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporária em Hortolândia, Sumaré e na capital.

Segundo a PF, um dos mandados de prisão não foi cumprido, e o investigado está sendo procurado, sendo considerado foragido da Justiça a partir de hoje. A PF ainda não deu detalhes sobre o segundo preso. 

O MEGA-ASSALTO

O mega-assalto a agências bancárias deixou três mortos e cinco feridos no dia 30 de agosto de 2021. A ação criminosa em Araçatuba, cidade na região noroeste de São Paulo, durou cerca de duas horas, entre ataque às agências, tiroteio e fuga. A quadrilha rendeu moradores e os usou como escudo humano.

Segundo a PF, o grupo criminoso utilizou armas de uso restrito (fuzil calibre .50, fuzil calibre 5,56, fuzil calibre 7.62, espingardas, pistolas e revólveres), além de drones e sofisticado material bélico.

A INVESTIGAÇÃO

A última operação tinha acontecido em 16 de dezembro do ano passado, também com alvos na região, e um homem preso em Campinas.

Além dele, foi preso em Campinas um homem em novembro. Na cidade um suspeito também foi preso no dia seguinte ao ataque, confessando participação no crime.

Outro suspeito foi encontrado morto em Sumaré. Em setembro outubro, e novembro, Campinas também foi alvo de operações da PF, com buscas sobre suspeitos do crime.

"A Polícia Federal continua trabalhando de forma incessante para a responsabilização de todos os autores dos violentos atos e já identificou e prendeu a maior parte dos integrantes da organização criminosa", disse a Polícia Federal em nota.

Com o desencadeamento da ação de hoje, a PF chega ao número de 37 investigados presos e 84 mandados de busca e apreensão cumpridos.

Publicidade