cotidiano

Especial coronavirus

Coletores de lixo fazem campanha: "trabalhando por vocês"

Trabalhadores continuam serviço considerado essencial na cidade e pedem também para ter atenção com objetos cortantes

| ACidadeON Campinas -

 

Os coletores de lixo Elielson e Osvaldo (nas pontas) e o motorista Agivaldo (centro) com campanha para pessoas ficarem em casa (Foto: Sarah Brito/ACidade ON Campinas)

São 32 mil toneladas de lixo por mês. Milhares de quilômetros correndo atrás de caçambas ou das lixeiras residenciais dos cerca de 1,2 milhão de habitantes de Campinas. Isso tudo embaixo de sol, chuva e, agora, sob o risco do novo coronavírus.

Preocupados com a família e trabalhando todos os dias, os coletores de lixo da cidade não podem parar. Serviço considerado essencial, a coleta de lixo orgânico não foi suspensa durante a quarentena oficial decretada na segunda-feira (23) pelo prefeito Jonas Donizette (PSB).

Para continuar trabalhando com menos risco, eles lançaram, junto com a Renova Ambiental, uma campanha pedindo para que as pessoas fiquem casa. É que o isolamento social reduz drasticamente o risco de contaminação da nova doença que em Campinas tem 16 casos confirmados e outros 441 em investigação, segundo dados atualizados nesta quinta-feira (26).

Nos caminhões, a faixa: "Fique em casa por nós, estamos trabalhando por vocês". Esse é o pedido também do coletor de lixo Elielson Pereira Marques, de 28 anos, que trabalha há oito no serviço. Ele deixou a filhinha Milena, de 1 ano e sete meses, em casa e não quer levar a doença pra ela.

"É complicado, depois que aconteceu essa epidemia. Mas nosso trabalho é essencial, não pode faltar. Recebemos álcool em gel, o caminhão está sempre limpo, recebemos máscaras. Me sinto um pouco protegido, mas não é fácil sair pra rua", disse. 
 
Leia mais notícias sobre o coronavírus do ACidade ON Campinas

Caminhões com faixas da campanha já estão circulando pelas ruas de Campinas (Foto: Sarah Brito/ACidade ON Campinas)
Com mais tempo de casa, mas também assustado com tudo que está acontecendo, o coletor Osvaldo dos Anjos, de 48 anos, também pede para que as pessoas fiquem em casa. "Já são 27 anos de casa e nunca vi nada parecido. Estamos cuidando de todas as maneiras possíveis para não pegar essa doença. Pra não levar pra casa", contou.

Ele afirmou que tem passado muito álcool em gel para evitar o contágio e também pediu para as pessoas acondicionarem bem o lixo, para evitar causar machucados nos profissionais. "Pedimos que as pessoas fiquem em casa, mas também coloquem o lixo certinho. Se colocar dentro da caixinha de leite, é melhor. Todo cuidado é bem-vindo. Já fui cortado por agulha, vidro", disse.

O motorista do caminhão Agivaldo Pereira Junior, de 48 anos, que também já foi coletor, está preocupado. "Tentamos evitar o máximo que dá, mas a gente não vê essa doença, né? A gente tenta tirar o uniforme fora de casa, lavar tudo. O caminhão também é equipado com água e sabão. Peço que as pessoas continuem colaborando com a gente", disse.

COLETA SELETIVA SUSPENSA

Atualmente, o serviço terceirizado pela Prefeitura de Campinas é feito pela Renova Ambiental. Vale lembrar que a, a partir desta sexta-feira (27), a coletiva seletiva na cidade está suspensa. A orgânica, como feita pelos coletores de lixo ouvidos pela reportagem, segue normalmente, e o lixo reciclável deverá ser descartado junto com o comum.

Publicidade