Aguarde...

cotidiano

Covid-19: CTI modificará máscaras de mergulho para tratar pacientes

Centro de Tecnologia Renato Archer, em Campinas, estuda como transformar máscaras de mergulho em respiradores para infectados pelo novo coronavírus

| ACidadeON Campinas

Os pesquisadores do CTI Marcelo Oliveira e Paulo Inforçatti (Foto: Divulgação) 

Pesquisadores do CTI Renato Archer, centro de pesquisa e desenvolvimento do Ministério da Ciência e Tecnologia, em Campinas, estão estudando formas de transformar máscaras de mergulho em respiradores automáticos. Os aparelhos serão usados por pacientes internados de covid-19, uma vez que o vírus danifica o pulmão dos infectados.

As máscaras, usadas principalmente por quem pratica snorkeling, receberão uma válvula produzida em impressoras 3D para que possam ler ligadas aos aparelhos de oxigênio. Essa adaptação será realizada pelo CTI, que faz o projeto experimental junto um grupo de engenheiros da empresa Owntec, em parceria com a Unisc (Universidade de Santa Cruz), no Rio Grande do Sul, e com o Hospital de Santa Cruz do Sul.

Segundo o diretor do CTI, Jorge Vicente Lopes da Silva, o projeto piloto prevê transformar ao menos 1 mil máscaras em respiradores automáticos, doados em parte pela empresa Decathlon.

A ideia não é novidade durante a pandemia mundial de coronavírus. A proposta surgiu na Itália, país que foi o segundo pico da doença depois da China. Já no Brasil, o protótipo terá algumas diferenças em relação ao modelo italiano.

Entre elas, a entrada de oxigênio e medição de pressão serão próximos à região da boca e, por cima, terá uma saída com filtro para não contaminar o ambiente. Na Itália, está tudo conectado na cabeça.

E é justamente parte dessa adaptação que está sendo feita em Campinas. "Vamos utilizar a infraestrurua 3D do CTI para produzir as peças, em caráter emergencial. Principalmente as que vão na conexão da válvula para conectar no sistema de oxigêno do hospital", explicou o diretor do CTI.  



CUSTO

O custo dessa adaptação é baixo, segundo Jorge, e será bancado em parte pelo Ministério e absorvida também pelo CTI. Além disso, a Decathlon suspendeu as vendas de máscaras no país, para disponibilizá-las para o projeto.

A máscara de mergulho "fecha" no rosto inteiro, por meio de uma cúpula transparente. Elas são bem específicas e caras, podendo custar até R$ 140.

Jorge contou que tem trabalhado também com engenheiros da Unicamp, para verificar se as modificações podem ser usadas na rede de saúde, de forma segura. "É um estudo, mas com aplicação quase que imediata. Não podemos demorar", disse. O prazo é que, até semana que vem, o produto esteja disponível para os hospitais do SUS de São Paulo e do Brasil.

Mais do ACidade ON