Aguarde...

cotidiano

Prefeito volta atrás e escolas não retomarão aulas em maio

A data acabou reprovada pela própria Secretaria de Educação, que informou ao prefeito as dificuldades em manter o distanciamento entre crianças, principalmente as pequenas

| ACidadeON Campinas

Creche em Campinas. (Foto: Luiz Granzotto/Prefeitura de Campinas)

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), voltou atrás e informou, na manhã desta quinta-feira (30), que as escolas públicas municipais da cidade não vão retomar as aulas presenciais durante o mês de maio. A informação foi dada durante uma live por meio de redes sociais. O prefeito sequer cogitou prever uma data para a reabertura.

No começo dessa semana, quando o governo apresentou o plano de retomada da cidade pós-quarentena já na próxima segunda-feira (4) - e que acabou vetado pelo Estado -, Jonas havia informado que as escolas, principalmente as de ensino infantil, poderiam voltar a funcionar já no dia 18 de maio.

Mas a data acabou reprovada pela própria Secretaria de Educação, diante da dificuldade em manter o distanciamento entre crianças, principalmente as pequenas.

Segundo o prefeito, ainda não existe uma previsão para o retorno das aulas presenciais das escolas municipais e nem nas particulares.  
 
LEIA TAMBÉM  
Campinas tem mais 3 mortes por covid-19 e chega a 20 óbitos
Covid-19: Campinas confirma 1ª morte de servidor da saúde
Prefeitura obrigará uso de máscaras em ônibus de Campinas


"Não volta no mês de maio. Sabemos da necessidade do retorno, mas isso deve ser feito com segurança e preservação da vida, dos alunos, das famílias e dos profissionais", disse.

Ele afirmou que o mês de maio será fundamental para fazer qualquer avaliação e também para ouvir os funcionários da rede de educação que farão esse estudo.

"Será criado um protocolo da Educação, juntamente com a Secretaria de Saúde. Ele será trabalhado neste mês de maio. Vai ter uma conversa com as famílias e também com os profissionais para chegar a um modelo que deverá ser seguido também pela rede particular", afirmou o prefeito, que não descartou a possibilidade da rede particular retomar as aulas antes da municipal.

A secretária de Educação, Solange Villon Kohn Pelicer, afirmou que vai ouvir toda a rede de ensino infantil antes de qualquer decisão de um retorno, e lembrou das dificuldades de manter a distância social ao lidar com crianças pequenas.   

"Elas sempre estão próximas. Uma pega brinquedo da outra e coloca na boca. Então não tem como iniciar sem um modelo a ser trabalhado. Para isso, vamos ouvir quem está na ponta e conhece a realidade. Cada escola vai fazer a mediação. Vamos analisar a quantidade de alunos nas salas, em refeitórios, no transporte escolar, isso considerando também o ensino fundamental", explicou.   

PARA EVITAR

O prefeito também afirmou que quando houver o retorno, será pedido aos pais das crianças menores que puderem, que mantenham os filhos em casa. Outra proposta é fazer o retorno escalonado e por rodízio.

Ele adiantou também que está fazendo um levantamento do número de crianças, filhos de trabalhadores da Saúde, e que necessitam de creche para que os pais possam trabalhar. Segundo o prefeito são 1,2 mil filhos de trabalhadores da Saúde, e agora a intenção é estender essa contagem para as outras profissões ligadas aos serviços essenciais que estão funcionando.

Em Campinas o recesso de julho foi antecipado para o período entre 23 março e 5 de abril. Desde então, segundo a Secretaria de Educação, a rede está fazendo as atividades com os alunos por meio virtual. Por dia, 6 mil alunos acessam a plataforma de educação onde ficam as aulas que ocorrem escalonadas por série.

A secretária afirmou que neste ano não tem como falar em reprovação dos alunos. "Estamos priorizando as aulas presenciais. Se o retorno for em 1º de julho, as 800 horas que devem ser cumpridas, serão presencialmente", alertou. Ela também frisou que o que acontece em Campinas não se trata de ensino à distância, mas sim de atividades complementares para que as crianças não percam totalmente o vínculo com a escola. 

CHIPS

A Prefeitura informou também que comprou chips com internet 5G para entregar aos alunos poderem interagir com as aulas virtuais. Além disso, as alunos do 9º ano receberão tablets para terem as aulas. Ao todo são cerca de 1 mil aparelhos. Além disso, adiantou que está fazendo tratativas com a TV Câmara para aulas por meio de tele-educação. Assim que for definida a forma o modelo será informado.

Mais do ACidade ON