Aguarde...

cotidiano

Covid-19: Campinas terá centros de vacinação a partir do dia 25

Segundo o cronograma do governo do Estado, a vacinação em São Paulo deve ser iniciado no dia 25 de janeiro

| ACidadeON Campinas

Anúncio foi feito na tarde desta sexta-feira (Foto: Divulgação) 

A Prefeitura de Campinas confirmou que a cidade terá grandes centros de vacinação de covid-19 para aplicação da Coronavac, feita pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. O anúncio foi feito pela diretora do Devisa (Departamento de Vigilância Sanitária), Andrea Von Zuben, durante transmissão nas redes sociais nesta sexta-feira (8). 
 
LEIA MAIS 
Campinas continua na fase amarela do Plano São Paulo
 
Taxa de UTI-Covid cai novamente e está em 79,65% em Campinas

Segundo o cronograma do governo do Estado, a vacinação em São Paulo deve ser iniciado no dia 25 de janeiro. Além de idosos com mais de 60 anos, serão contemplados os profissionais de saúde, indígenas e quilombolas.

A vacinação será concentrada em grandes centros de vacinação, para não misturar pessoas doentes que estão nos CSs (Centros de Saúde) com pessoas saudáveis que vão se vacinar.

"Se começar a campanha no dia 25 de janeiro, já que o cronograma depende do governo do Estado, Campinas está pronta para começar a vacinar", afirmou a diretora.

Em Campinas, serão cerca de 210 mil pessoas vacinadas nesta primeira fase, sendo pouco mais de 60 mil profissionais de saúde - leia mais aqui.

"Estão negociando estes espaços, que serão amplos, arejados, estacionamento, fácil acesso, com rede informatizada que irá mandar os dados ao Ministério da Saúde", disse a diretora do Devisa. 
 
A prefeitura vai cobrar a documento de identificação com foto para aplicar o imunizante. Isso vale tanto aos profissionais de saúde, que deverão apresentar um registro profissional, quanto aos idosos, que devem levar documento para comprovar a idade.

Campinas tem hoje, segundo boletim epidemiológico, 52.787 pessoas que se infectaram desde o começo da pandemia, em março, além de 1.505 mortos.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON