cotidiano

Especial coronavirus

Fila de espera por leitos de covid-19 em Campinas cresce 38%

De acordo com a Secretaria de Saúde da cidade, hoje há 18 pacientes à espera por leitos de UTI-Covid

| ACidadeON Campinas -

Leitos de UTI; imagem ilustrativa (Foto: Rogério Santana/Divulgação) 

A fila de espera de pacientes suspeitos ou confirmados com covid-19 por leitos de enfermaria ou UTI-Covid teve um crescimento de 38% em Campinas nesta terça-feira (1º) em relação a ontem.

De acordo com a Secretaria de Saúde da cidade, hoje há 18 pacientes à espera por leitos de UTI-Covid e nenhum de enfermaria. Ontem eram 13 pessoas nesta situação. 
 
"Estamos no limite da nossa capacidade assistencial. Se hoje você sair, beber, cair e bater a cabeça, será difícil ter onde te atender", afirmou o secretário de Saúde, Lair Zambon.

EM ALTA


Já a taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) exclusivos para pacientes com covid-19 nas redes pública e particular de saúde segue em alta na cidade.

Ontem a cidade atingiu, após 38 dias, o maior número de internados em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), com 358 pacientes nesta situação. Hoje este número subiu para 359.

Campinas conta com 383 leitos de UTI exclusivos para pacientes com covid-19 nas redes pública e particular de saúde. Deste total, 359 estão ocupados, o que corresponde a 93,73%. Há 24 leitos livres nas redes municipal e privada. 
 
ÓBITOS E CASOS

A Secretaria de Saúde também confirmou mais 22 óbitos de covid-19, além de 454 novos casos da doença.

Com isso, o boletim epidemiológico tem o registro de 3.352 moradores que perderam a vida para o coronavírus desde março de 2020. Há também 101.990 moradores que foram infectados pela covid.

Os leitos estão disponibilizados da seguinte maneira:

SUS Municipal: 153 leitos, dos quais 150 estão ocupados, o que equivale a 98,04%. Há três leitos livres.

SUS Estadual: 40 leitos, dos quais 39 estão ocupados, o que equivale a 97,50%. Há um leito livre.

Particular: 190 leitos, dos quais 170 estão ocupados, o que equivale a 89,47%. Há 20 leitos vagos.

Mais notícias


Publicidade