Publicidade

conteudo-patrocinado

SP vai pagar 6 parcelas de R$ 300 a parentes de vítimas da covid-19; veja quem pode receber

Podem pedir o auxílio pessoas que perderam pai, mãe, avô, avó, filho, filha, entre outros, desde que o óbito tenha ocorrido dentro do núcleo familiar

| ACidadeON Campinas -

Benefício é pago a quem perdeu familiar para a covid (Foto: Denny Cesare/Codigo 19)
O governo de São Paulo anunciou na manhã desta terça-feira (29) o programa "São Paulo Acolhe", que vai pagar seis parcelas mensais de R$ 300 a quem perdeu parente para a covid-19. Os pagamentos serão iniciados no próximo dia 20 de julho. 

Segundo o governo, o programa vai beneficiar mais de 11 mil famílias em todo o Estado de São Paulo e terá o investimento de R$ 20,1 milhões. O valor será destinado ao pagamento de seis parcelas mensais no valor de R$ 300, totalizando R$ 1.800, entre os meses de julho e dezembro deste ano. 

"Nada vai reparar a dor da perda de uma pessoa querida, mas vamos ajudar na reconstrução dessas famílias", disse o governador João Doria (PSDB). Segundo o secretário de desenvolvimento regional, Marco Vinholi, o programa visa dar suporte financeiro aos "órfãos da pandemia". 

Esse é o segundo programa de transferência de renda anunciado pela gestão estadual neste mês. No dia 17 de junho, o governo paulista lançou um programa para auxiliar famílias de baixa renda a comprarem botijão de gás no estado, o "Vale-gás". em Campinas, são 3,8 mil famílias contempladas pelo programa

QUEM PODE PEDIR? 

O público-alvo da iniciativa são famílias inscritas no CadÚnico do governo federal, com renda mensal de até três salários-mínimos (R$ 3.300,00) que tenham perdido pelo menos um familiar vítima da covid-19. 

Podem pedir o auxílio pessoas que perderam pai, mãe, avô, avó, filho, filha, entre outros, desde que o óbito tenha ocorrido dentro do núcleo familiar. 

COMO PEDIR? 

A inscrição ao benefício se dá pelo site https://www.bolsadopovo.sp.gov.br. Segundo a secretária de desenvolvimento social, Célia Parnes, famílias que não possuem acesso à internet devem procuram os Centros de Referência da Assistência Social (Cras) para atualização dos cadastros.

Mais notícias


Publicidade