Publicidade

cotidiano

Falta de sono contribui para inflamação

Noites mal dormidas ou insônia, podem afetar a saúde e trazer risco de várias doenças

| Especial para ACidade ON -

Werther Busato. (Foto: Divulgação)


Sabemos que a inflamação é a resposta natural do corpo a doenças e lesões. Quando você contrai uma infecção ou se corta, seu sistema imunológico ativa os glóbulos brancos, que por sua vez liberam citocinas e outras moléculas inflamatórias que atacam os invasores e protegem os tecidos do corpo. Quando esta resposta é temporária, serve como um mecanismo de defesa eficaz. Mas quando a inflamação não diminui, pode contribuir para o desenvolvimento de doenças cardíacas, diabetes, derrame, câncer e doença de Alzheimer.

A privação do sono está associada a marcadores de inflamação, como aumentos de moléculas inflamatórias incluindo citocinas, interleucina-6, proteína C reativa (um marcador de inflamação que é elevado em pessoas com risco de doença cardíaca e diabetes) e outros entre pessoas que não dormiam bem. Embora esses sinais de inflamação possam ser atribuídos a outros fatores estresse, tabagismo e obesidade, por exemplo eles sugerem que a privação do sono desempenha um papel no processo inflamatório. E eles podem ajudar a explicar por que as pessoas que dormem mal estão em risco de doenças cardiovasculares, pressão alta e diabetes, entre outras condições crônicas.

Como a falta de sono contribui para a inflamação? Um estudo publicado na Havard Health Publications destacou que uma teoria se concentra nos vasos sanguíneos. Durante o sono, a pressão arterial cai e os vasos sanguíneos relaxam. Quando o sono é restrito, a pressão arterial não diminui como deveria, o que pode desencadear células nas paredes dos vasos sanguíneos que ativam a inflamação. A falta de sono também pode alterar o sistema de resposta ao estresse do corpo.

Além disso, um déficit de sono interfere na função normal do sistema de limpeza doméstica do cérebro, denominado sistema linfático (não deve ser confundido com o sistema linfático no resto do corpo). Nas fases mais profundas do sono, o líquido cefalorraquidiano corre pelo cérebro, varrendo a proteína beta-amilóide ligada a danos nas células cerebrais. Sem uma boa noite de sono, esse processo de limpeza da casa é menos completo, permitindo que a proteína se acumule e a inflamação se desenvolva. Então, um ciclo vicioso se instala e esse dano torna mais difícil dormir e reter e consolidar memórias.

Apenas uma noite de sono perdido pode manter os níveis de beta-amilóide mais altos do que o normal. O problema não é tanto a falta de sono de uma única noite, que você pode compensar, mas um padrão cumulativo de perda de sono, levando a diminuições na integridade estrutural, tamanho e função de regiões cerebrais como o tálamo e o hipocampo, que são especialmente vulneráveis a danos durante os estágios iniciais da doença de Alzheimer.

E você? Tem dormido bem? Cuide-se para ter boas noites de sono!

Werther Busato: médico clínico geral com especialização em Medicina Preventiva, Nutrologia e Medicina do Sono e certificação profissional em Programas de Qualidade de Vida. Na carreira corporativa possui vasta experiência na gestão de promoção e prevenção de saúde individual e coletiva em grandes empresas.

Publicidade