Aguarde...

ACidadeON Campinas

Campinas
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Casos de dengue em Campinas aumentam 134% em um ano

Entrada de tipo diferente de vírus que predomina na cidade (tipo 1) também preocupa Secretaria de Saúde

| ACidadeON Campinas

 

Agente de saúde procura foco de dengue - melhor maneira de prevenir doença é evitar criadouros.

Campinas registrou de janeiro até o dia 20 de dezembro do ano passado 307 casos de dengue no município, segundo a Secretaria de Saúde. O número apesar de baixa incidência para o total de habitantes da cidade ainda é maior que o registrado em 2017 (131 casos confirmados).

O índice de aumento é de 134% entre os anos. Apesar de grande, o número de casos confirmados é considerado baixo pela Secretaria. A preocupação maior, de acordo com o secretário de Saúde, Carmino de Souza, é em relação a entrada do vírus tipo 2 da dengue.

Atualmente, circula em Campinas o tipo 1 do vírus, com boa parte da população já imunizada. Já o tipo 2 foi registrado em Bauru (260 km de Campinas) há três meses. Outras cidades como Piracicaba, Presidente Prudente, Araçatuba, São José do Rio Preto também tiveram casos com o outro tipo do vírus. No total, a dengue tem 4 tipos.

Em Campinas, esse tipo de vírus não circula desde 2011, com um grande surto há mais de 15 anos. "Estamos monitorando, mas a arbovirose tem um grau de imprevisibilidade que não é desprezível. Ainda não temos nenhum indicativo que indique que 2019 será um ano difícil ou complicado", afirmou o secretário de Saúde.

A preocupação ocorre porque Campinas é uma cidade com entroncamentos de rodovias, além de grande fluxo de viagens intermunicipais além do Aeroporto Internacional de Viracopos. Além disso, a cidade viveu duas epidemias em anos consecutivos. A primeira ocorreu em 2014 - quando Campinas foi o município com mais casos do país (42.664) e durou até 2015, quando registrou 65.217 casos. Já em 2016, o número começou a cair, fechando com 3.599 pacientes confirmados.

CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS

Também transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypt, as doenças chikungunya e a zika continuam em alerta para a Secretaria de Saúde. "Por alguma razão, a chikungunya não chegou ao Estado de São Paulo com tanta intensidade. Então, estamos sempre atentos", disse Souza. Em 2018, foram 22 casos de zika e 24 de chikungunya em Campinas, segundo a Secretaria de Saúde

COMO PREVENIR

A forma mais eficaz de combater a dengue é combater os criadouros do mosquito transmissor da doença. Para isso, mantenha o quintal sem objetos que possam acumular água da chuva, limpe as calhas de casa, evite vasos de plantas com potinhos de água e mantenha a caixa d'água telada. Para mais dicas, acesse o site da dengue da Prefeitura de Campinas.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook