Aguarde...

ACidadeON Campinas

Campinas
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Morte de Toninho completa 18 anos sem ninguém preso

Até hoje os assassinos do ex-chefe do Executivo não foram presos; uma missa será realizada no domingo como lembrança da data

| ACidadeON Campinas

Morte de Toninho completou 18 anos nesta terça-feira (Foto: Reprodução/EPTV)

O assassinato do prefeito de Campinas Antônio da Costa Santos, o Toninho do PT, completou 18 anos nesta terça-feira (10). Uma missa será realizada no próximo domingo (15). Até hoje os assassinos do ex-chefe do Executivo não foram presos e o assassinato não foi esclarecido.

A missa será na Igreja Nossa Senhora Aparecida, na Avenida Arlindo Joaquim de Lemos, 1110, no bairro Jardim Proença, a partir das 19h.   

Toninho foi assassinado no final da noite de 10 de setembro de 2001, na Avenida Mackenzie, próximo ao shopping Iguatemi. Toninho saiu da Prefeitura naquela noite e foi até o shopping, pouco antes das 22h. Depois, a notícia que o prefeito havia sido baleado e estava morto foi espalhada pelos veículos de comunicação da cidade e também nacionais.

O prefeito de Campinas foi morto depois de ser alvejado por três disparos saídos de uma pistola 9 milímetros. O assassinato aconteceu quando Toninho do PT voltava para casa dirigindo seu carro, um Fiat Pálio. Para a família, a morte teve motivação política.

 A Polícia Civil sustentou a versão de que o prefeito foi assassinado porque seu carro atrapalhou a fuga da quadrilha do traficante e sequestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, que fugia pela Avenida Mackenzie.  

Andinho chegou a ser acusado formalmente pelo crime. Os disparos teriam sido feitos por Anderson José Bastos, conhecido como "Anjo" ou "Puff", que estava dentro de um Vectra, na companhia de Andinho, Valmir Conti e Valdecir de Souza. Três deles foram mortos em duas operações policiais em 2003, em Caraguatatuba (litoral Norte do Estado). 

Como único sobrevivente, Andinho foi denunciado por homicídio qualificado (com uso de meio que dificultou a defesa da vítima) e por duas tentativas de latrocínio (roubo seguido de morte) porque, de acordo com o Ministério Público, ajudou para a prática dos crimes. Mas a Justiça entendeu que não havia indícios que o incriminassem e determinou que a Polícia Civil retomasse as investigações em 2011. Mas nada foi esclarecido de forma contundente.

ÚLTIMO ATO

Naquela noite, o último trabalho de Toninho foi o discurso no ato solene do Movimento Negro, no Salão Vermelho da Prefeitura. Neste, ele assinou seu último decreto, oficializando o dia 20 de novembro como feriado do Dia da Consciência Negra, dedicado a Zumbi dos Palmares.

Atualmente, o inquérito está com a Polícia Civil de Campinas, no SHPP (Setor de Homicídio e Proteção à Pessoa).

HOMENAGENS

Uma cruz azul marca o local onde o prefeito Antônio da Costa Santos foi assassinado, às margens da Avenida Mackenzie. Até março de 2016, ela ficava no local onde o carro parou após o prefeito ser baleado. Depois foi retirada e colocada no canteiro central.

Há também uma escultura que mostra Toninho com uma pipa ao lado de uma criança. Essa pipa se tornou símbolo de sua campanha no ano 2000, quando foi eleito prefeito.

A pipa foi confeccionada por uma criança, e Toninho a empinou do alto do prédio do Palácio dos Jequitibás junto com o menino que a confeccionou para comemorar a vitória.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON