Aguarde...

cotidiano

Amigos e familiares fazem ato para jovem morto e pedem justiça

Grupo acendeu 19 velas para Andrew Silva Jaroczinski e levou cartazes com assinaturas de colegas e amigos da vítima

| ACidadeON Campinas

Amiga de Andrew segurando cartaz com assinaturas de amigos da vítima (Foto: Denny Cesare/Código19) 

Um grupo de amigos e familiares do jovem morto no último final de semana após uma briga em um bar na região central de Campinas se reuniu no começo da noite desta quinta-feira (13) para homenageá-lo. Andrew Silva Jaroczinski, de 19 anos, foi morto por um golpe de faca após uma briga generalizada.   

Eles gritaram por "justiça" para o caso, acenderam 19 velas e levaram cartazes com assinaturas de colegas e amigos da vítima. O grupo se reuniu em frente à Catedral Metropolitana de Campinas e depois seguiu para o Largo do Pará. Lá, colocaram as velas no entorno do chafariz da praça e fizeram um ato dando as mãos.

No evento criado para marcar o encontro, o grupo disse que quem quisesse podia recitar poesias em homenagem a Andrew e mostrar trabalhos de arte. O grupo também pediu para que quem quisesse participar de uma batalha de Mc's era preciso levar alimentos não perecíveis para doação aos moradores de rua da área central.  
 
LEIA TAMBÉM
Câmera flagra agressão a jovem no Centro de Campinas
Bar onde jovem estava antes de ser morto é pichado: "assassinos"
Grupo invade e destrói bar Velho Casarão no Centro
 



Andrew foi morto a facada após uma briga no domingo. Ele estava no bar Velho Casarão quando a confusão começou no final da noite de sábado. Ele se envolveu na briga e depois foi perseguido por diversas pessoas, derrubado e agredido na Rua José Paulino.

Além de Andrew, outros dois jovens de 20 e 23 anos também foram feridos. Eles receberam alta no domingo. O suspeito das facadas, identificado pelo primeiro nome apenas, Osmar, seria funcionário do bar e irmão de um dos sócios proprietários. Ele ainda não foi apresentado à polícia.

INVESTIGAÇÃO


Nesta quinta pela manhã, a Polícia Civil informou que ainda não vai pedir a prisão preventiva do suspeito de assassinar Andrew. O delegado responsável pela investigação Hamilton Caviola também descartou a possibilidade do suspeito ter agido em legítima defesa, já que Andrew não estava armado.

A justificativa dada pelo irmão do suspeito, que foi ouvido hoje (13), é de que ele só atacou Andrew porque o rapaz teria o agredido. O suspeito ainda será ouvido. Segundo Caviola, o autor do crime será um dos últimos ouvidos pela polícia. 


Mais do ACidade ON